32.1 C
Espigão d\'Oeste,RO
quinta-feira, março 23, 2017

Arquivos diários: 18 de março de 2017

Final do Sobradão Setor Leste tem 8 gols.

Na tarde de sábado 18/03/2017 foi realizada a grande final do campeonato denominado Sobradão Setor Leste no Canelinha (O nome Sobradão é referente a inscrição de atletas, pois os mesmos só podem ser inscritos desde que não tenham disputado o campeonato municipal, por isso o nome Sobradão), e a equipe mandante da decisão abriu 2×0, sofreu o empate e a virada, pois o Assentamento Edimilson Pastor reagiu e marcou 4 gols na segunda etapa, porém o Canelinha fez o terceiro, e o seu torcedor que estava em grande número voltou a sonhar.

Faltando poucos minutos o placar estava a favor do adversário, mas o Canelinha foi a luta em busca da reação, e quando tudo parecia resolvido fez também o quarto gol, fechando o placar em 4×4 e levando a decisão para as penalidades.

Ainda com a forte chuva que desde a primeira etapa caía no Distrito, veio a temida disputa de pênaltis, 3 cobranças para cada equipe, e o Canelinha teve 100% de aproveitamento e ficou com a taça após fazer 3×2 da marca “fatal”. O fato que chamou a atenção não foi só a “chuva de gols”, mas também a chuva que caiu, e mesmo assim o jogo não perdeu o brilho, e o torcedor permaneceu ali até que saísse o campeão.

O campeão recebeu troféu e uma quantia em dinheiro, o vice-campeão também faturou um troféu e uma quantia em dinheiro, foram premiados também o melhor jogador da final, guarda metas campeão e vice-campeão e o artilheiro.

Nota de esclarecimento da prefeitura

Na manhã deste sábado 18/03/2017 surgiu pelas redes sociais a veiculação de conteúdo sobre um servidor público lotado junto a Secretaria Municipal de Saúde do município de Espigão do Oeste-RO em que o mesmo estaria trabalhando mesmo estando afastado por problemas de saúde no último ano e que o mesmo permanece de atestado médico exercendo suas atividades de rotina.
Em nota, a Secretaria de Saúde informa que o servidor foi submetido ao tratamento médico em questão e recuperou-se de seus problemas, sendo liberado assim a voltar exercer suas atividades trabalhistas. De acordo com a secretaria, o servidor em questão recebe diária de campo, direito esse que é assegurado para o servidor por exercer função que faz o transporte de equipe médica para o interior do município conforme Lei nº 1635/2012.
A Secretária de Saúde, Zilda Jucilaine Bordinhão, se coloca a inteira disposição da população e da imprensa para quaisquer esclarecimentos.

Depressão e desânimo atingem 59% dos desempregados, diz pesquisa

A pessquisa “Impactos do Desemprego: saúde, relacionamentos e estado emocional”, conduzida pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), mostra que, além de trazer complicações à vida financeira, o desemprego afeta também o estado físico e emocional das pessoas.
De acordo com o estudo, 59% dos entrevistados se sentem deprimidos ou desanimados, 63% estão estressados ou nervosos e 62% dizem ter estado angustiados. Também foram citados sentimentos de privação de consumo que tinha anteriormente (75%), ansiedade (70%) e insegurança de não conseguir um novo emprego (68%).
Em menor proporção foram mencionados sentimentos de medo (57%), baixa autoestima (55%), perda de valor perante as pessoas (39%), vergonha diante de amigos ou parentes (37%) e culpa (26%).
Por outro lado, 54% das pessoas passaram a sentir-se esperançosas com a vida após perder o emprego e três em cada dez (30%) estão mais otimistas do que era antes e confiam que coisas boas irão acontecer.
Os entrevistados também disseram que o desemprego afetou a saúde, à medida que mais da metade (51%) teve alterações no sono, 45% relatam mudanças no apetite, 40% têm dores de cabeça ou enxaquecas frequentes, 29% tiveram alteração na pressão (principalmente aqueles com mais de 50 anos, 54%) e 16% disseram descontar a ansiedade em vícios como álcool, cigarro, comida entre outros.
Com relação aos impactos nos relacionamentos, o estudo mostra que seis em cada dez (59%) daqueles que perderam o emprego têm menos vontade de sair, 27% ficam mais isolados das pessoas, 9% têm feito algum tipo de agressão verbal a pessoas próximas e 4% agrediram fisicamente algum parente ou amigo.
Segundo Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, o trabalhador precisa ter uma visão realista de sua situação para evitar problemas financeiros maiores. “É importante que o desempregado mantenha a mente aberta para propostas diferentes das que ele esteja esperando, seja em termos de salário ou função. Nessa hora, trabalhos alternativos também podem ser uma fonte de renda temporária”, diz.
Foram entrevistados pessoalmente 600 brasileiros desempregados acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais nas 27 capitais. A margem de erro geral é de 4,0 pontos percentuais para um intervalo de confiança a 95%.

Fonte: G1

Diário Oficial publica mais uma lista de servidores que vão para a folha da União

O Diário Oficial da União do dia 26 de março de de 2017, publicou mais um lista de servidores beneficiados pela transposição, e que já vão ser incluídos na folha de pagamento do governo federal.

O Sintero continua lutando e acompanhando atentamente os trabalhos para que todos os servidores beneficiados pela Emenda Constitucional nº 60 sejam transpostos para a folha da União.

Enquanto isso tramitam na Justiça ações movidas pelo Sintero para a transposição dos servidores contratados entre 16 de março de 1987 e 31 de dezembro de 1991, bem como daqueles que, embora sejam abrangidos pela EC 60, não tiveram o pedido deferido administrativamente.

O Presidente do Sintero, Manoel Rodrigues da Silva, destacou que desde as mudanças no governo federal com Michel Temer na Presidência da República, quase nada andou na transposição e os processos estão emperrados.

Projeto FOB em Rondônia: aprimorando a graduação e a pós

Viagem dos alunos da FOB-USP para a cidade de Monte Negro/Rondônia. Foto: Cecília Bastos/

“A Extensão Universitária é o processo educativo, cultural e científico que articula o Ensino e a Pesquisa de forma indissociável e viabiliza a relação transformadora entre Universidade e Sociedade. A Extensão é uma via de mão-dupla, com trânsito assegurado à comunidade acadêmica, que encontrará, na sociedade, a oportunidade de elaboração da práxis de um conhecimento acadêmico. No retorno à Universidade, docentes e discentes trarão um aprendizado que, submetido à reflexão teórica, será acrescido àquele conhecimento.

Esse fluxo, que estabelece a troca de saberes sistematizados, acadêmico e popular, terá como conseqüências a produção do conhecimento resultante do confronto com a realidade brasileira e regional, a democratização do conhecimento acadêmico e a participação efetiva da comunidade na atuação da Universidade. Além de instrumentalizadora deste processo dialético de teoria/prática, a Extensão é um trabalho interdisciplinar que favorece a visão integrada do social.”

(Plano Nacional de Extensão, 1988)

diretor e o corpo docente da Faculdade de Odontologia de Bauru, unidade da Universidade de São Paulo (USP), em consonância com a Política Nacional de Educação (PNE 2001-2010) e com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de profissionais na área da saúde (Brasil, 2001), idealizaram e concretizaram um Projeto de Extensão Universitária cujo enfoque fundamenta-se no exercício de práticas gerenciais e assistenciais participativas, em equipe, dirigidas às necessidades de saúde (epidemiológicas, demográficas, sociais e ecológicas) de uma dada população pertencente a um território delimitado.
A priorização do território deu-se, também, pela presença de um Centro de Pesquisa para doenças tropicais que serviu de apoio inicial ao projeto e propiciou a estruturação das ações em áreas urbanas, rurais e ribeirinhas, duas vezes ao ano. O território selecionado foi um município do interior do Estado de Rondônia. O município foi considerado pelo seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), pelas condições de vida e trabalho da população e pelo acesso restrito à saúde bucal e fonoaudiológica.

As bases ideológicas e os referenciais adotados na implementação do Projeto “FOB-USP-Rondônia” evidenciaram o conceito de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão; a Interação Dialógica; a Interdisciplinariedade e interprofissionalidade nas ações; a transformação da Formação teórica e prática do Estudante, com base nos determinantes sociais da saúde; na excelência técnica e na relevância social de sua produção.

O objetivo principal do Projeto “FOB-USP em Rondônia” consiste em desenvolver ações de promoção da saúde, prevenção de agravos, diagnóstico e tratamento a população vulnerável socialmente com base no conceito ampliado de saúde e na tríade – ensino, pesquisa e extensão.

Alguns dos objetivos específicos:

Ampliar o acesso aos serviços de saúde bucal e fonoaudiológica;
Propiciar interação e troca de saberes entre os profissionais de diferentes regiões criando uma rede de colaboração, apoio e conhecimento;
Formar recursos humanos com qualificação técnica, social e humana para a produção de saúde;
Produzir informações e conhecimentos atrelados à realidade social e as necessidades de saúde da população;
Articular com os gestores municipais de saúde e com os serviços de saúde do município ações de promoção e proteção, prevenção de agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde da população.
Assim, no ano de 2002, foram iniciadas as atividades de extensão em Monte Negro-RO. Desde então todo o processo logístico, desde a preparação para a viagem até a realização prática dos atendimentos foram pautados em forte trabalho em equipe e sólida dedicação aos objetivos propostos.

O município de Monte Negro, no Estado de Rondônia, surgiu como núcleo urbano de apoio rural do Projeto de Assentamento Dirigido Marechal Dutra com o nome de Boa Vista. O projeto de emancipação que tramitava na Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia trazia esse nome, fato que impedia a criação do município, isto porque já existia um município, com esse topônimo (nome próprio de lugares). Nas reuniões da Constituinte, em setembro de 1989, o deputado Sivernani Santos foi avisado da impossibilidade de criação de município com o nome de outro já existente. O deputado realizou uma reunião com os moradores do povoado que escolheram o nome de Monte Negro, em homenagem a um acidente geográfico que existe no local. O município com o nome de Monte Negro foi criado pela Lei Nº 378, de 13 de fevereiro de 1992, assinada pelo governador Oswaldo Piana Filho, com área desmembrada do Município de Ariquemes.

Fica a 182 km da capital do estado, Porto Velho, possui 4.067 domicílios particulares permanentes onde residem 14.091 habitantes (Censo Brasil 2010), sendo 7.391 na zona urbana e 6.700 na zona rural.

O território de Monte Negro é dividido em Setores, na área urbana, e em Linhas, na zona rural. O Projeto FOB/USP em Rondônia, em parceria com as Secretarias Municipais, realiza atendimento clínico odontológico e fonoaudiológico em várias dessas localidades.

PLANEJAMENTO DAS EXPEDIÇÕES: Processo de seleção dos Expedicionários.

Na fase de planejamento, a coordenação do Projeto “USP em Rondônia” prepara seus alunos de graduação, pós-graduação e docentes para prestarem atendimentos odontológicos e fonoaudiológicos à população, realizar atividades educativas e de promoção de saúde bem como proporcionar aos alunos uma experiência de trabalho em comunidades distantes com culturas e realidades diferentes das encontradas na região Sudeste.

A preparação dos alunos é iniciada com um curso realizado semanalmente, durante dois meses, sobre temas considerados importantes para que o trabalho seja desenvolvido da melhor maneira possível segundo as condições locais. Os alunos do último semestre da graduação têm a oportunidade de relembrar conceitos de Saúde Coletiva, conhecer a realidade local e participar diretamente das propostas para ações em cada expedição. Após o curso, os alunos passam por uma seleção e os que apresentam melhor desempenho embarcam junto aos pós-graduandos, docentes e funcionários para desenvolver ações por cerca de 15 dias.

A equipe presta serviços à população em uma área circunscrita às zonas urbana e rural do município de Monte Negro. Grande parcela desta população vive distante dos grandes centros, alheia às condições básicas de saneamento, educação e a programas de saúde básica (prevenção primária, secundária e terciária). Tal iniciativa surgiu para adequar à realidade estrutural e o perfil epidemiológico da população, com o intuito de dinamizar as ações já desenvolvidas no referido município e assim oferecer melhor qualidade de vida à população carente que vive distante dos grandes centros.

Todas as ações do projeto estabelecem laços entre realidade, aprendizagem, pesquisa e sala de aula. O fazer e o repensar devem retornar à Universidade e oxigenar o corpo docente e discente, e consequentemente, os currículos, tendo em vista que a tríade ensino, pesquisa e extensão têm de estar alicerçada no perfil do Profissional-Cidadão que se pretende formar.

A oportunidade de levar um grande grupo de alunos numa viagem longa permite o desenvolvimento de diferentes competências que propiciam maiores chances de que o aluno venha a obter sucesso e satisfação profissional. Realmente isso tem acontecido durante cerca de 15 anos. Alunos diretamente comprometidos com as expedições a Rondônia têm alcançado ótimas conquistas no serviço publico em geral, mas, principalmente, em Forças Armadas, e em Universidades públicas federais e estaduais, com ênfase nas do Estado de São Paulo. A visão da equipe coordenadora do Projeto esteve sempre ligada ao comprometimento de cada centavo aplicado pelo contribuinte para formação do melhor profissional, com visão não só clínica, mas também coletiva e cidadã.

“Numa sociedade cuja quantidade e qualidade de vida assentam em configurações cada vez mais complexas de saberes, a legitimidade da universidade só será cumprida quando as atividades, hoje ditas de extensão, se aprofundarem tanto que desapareçam enquanto tais e passem a ser parte integrante das atividades de pesquisa e de ensino.”

SANTOS, Boaventura de Souza

Fonte: Jornal USP

Cônsul do Japão no Brasil conhece potencialidades de Rondônia

O secretário-chefe da Casa Civil do governo de Rondônia, Emerson Castro, recebeu na manhã desta sexta-feira (17), em seu gabinete, o cônsul geral do Japão no Brasil, Shuji Goto, e sua esposa Yoko Goto. Durante a visita, Castro ressaltou as potencialidades de Rondônia, principalmente na produção de peixes, visando futura parceria comercial com os japoneses.

Emerson Castro informou que Rondônia tem o quinto maior rebanho bovino do País, e destacou a capacidade de produção de peixe nativo e de cativeiro. “Rondônia é o único estado do Brasil autorizado a exportar o peixe pirarucu. Nós também produzimos pintado, tambaqui e tilápia”, ressaltou.

Na primeira visita ao estado, o cônsul Shuji Goto pediu apoio para a realização da festa de 110 anos da imigração japonesa ao Brasil, que será realizada no próximo ano, no Porto Velho Shopping. Emerson Castro garantiu apoio, a exemplo do que ocorreu em 2015, quando o governo do estado apoiou a festa que é realizada anualmente pelos migrantes japoneses que moram em Rondônia.

O chefe da Casa Civil mencionou a gratidão aos descendentes de japoneses que moram em Rondônia, e citou a colônia de japoneses Viçosa, localizada na zona Sul da capital, que trouxe tecnologia para o campo.

Fonte: ariquemesonline

Rondônia recebe segunda edição do concurso do café

Sucesso entre os cafeicultores, o concurso de qualidade e sustentabilidade do café realizado no ano passado pelo governo estadual projetou Rondônia entre os maiores estados brasileiros produtores. O destaque como o maior produtor do País e segundo no cultivo de Conilon é resultado de um trabalho dedicado dos cafeicultores rondonienses incentivados pelas políticas públicas de incentivo do governo do estado.

A segunda edição do concurso, que agora leva o nome de Concafé de Rondônia, será lançada na próxima segunda-feira (20), a partir das 13h, no auditório da Governadoria, no 9º andar do Edifício Pacaás, no Palácio Rio Madeira, em Porto Velho. O evento já atrai cafeicultores de todas as regiões do estado.

Ao criar um concurso para identificar e premiar produtores de café de Rondônia, o governo estadual agregou instituições como Empresa Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RO), Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril (Idaron), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-RO) e a Câmara Setorial do Café, incentivando, assim, maior investimento em tecnologias para a melhoria da qualidade da cultura na região. O concurso realizado em 2016 surpreendeu revelando a superioridade do café rondoniense.

Em sua segunda edição, o concurso abre caminhos para aprimorar a excelência da produção de café no estado, em todas as suas etapas. Para o governo estadual, tão importante quanto aumentar a produção de grãos é melhorar a qualidade do produto, assim, a expectativa é que este ano mais de três milhões de mudas de Conilon sejam distribuídas para os pequenos produtores rurais.

As inscrições para o Concafé estarão abertas a partir do dia 10 de abril nos escritórios locais da Emater-RO em todos os municípios. Serão R$ 25 mil em prêmio distribuídos para as três primeiras colocações, na categoria qualidade da bebida e no melhor café produzido com sustentabilidade em Rondônia. O produtor interessado em participar do Concafé de Rondônia poderá, em breve, acessar o regimento do concurso no portal da Emater-RO.

Fonte: Portal Amazonia

Agência do Itaú em Porto Velho é fechada por falta de segurança

A agência do Itaú da avenida José de Alencar com Dom Pedro II, no Centro de Porto Velho, teve o atendimento ao público suspenso na manhã desta sexta-feira, 17/3, por falta de segurança mínima, como exigem as leis municipais, estaduais e, principalmente, federais sobre o funcionamento bancário.

Na unidade, além da presença de vigilantes não atender ao número mínimo determinado nas leis de segurança bancária, a porta giratória com detector de metais estava com defeito.

Ao tomar conhecimento do fato dirigentes do Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (SEEB-RO) foram ao local e, ao constatar os problemas de segurança precária, fecharam a agência, que teve o atendimento ao público imediatamente suspenso.

Os sindicalistas ficaram a manhã inteira negociando diretamente com o setor de Relações Sindicais do banco (sede em São Paulo) para que o conserto da porta fosse agilizado e que mais dois vigilantes armados completassem o quadro até que a porta estivesse funcionando novamente.

Irritado com a ação do Sindicato em defesa da segurança dos bancários, o gerente geral da agência tentou forçar a entrada de clientes – apenas para atender questões de negócios – e chegou a agredir verbalmente os dirigentes sindicais, atuando com truculência e desrespeito com os representantes dos trabalhadores, inclusive ameaçando chamar a polícia.

“Lamentamos que este tipo de problema atinja os clientes e usuários, mas a segurança dos funcionários do banco é prioridade para nós, enquanto sindicato. Infelizmente voltamos a nos deparar com problemas como esses, de fácil solução, numa agência do Itaú, o banco que ano após anos obtém lucros recordes e que, por isso, se tornou a instituição financeira que mais lucra no país. Não podemos admitir que o banco continue visando apenas o lucro e não se importe com o ambiente de trabalho, com a saúde, o bem estar e a segurança de seus funcionários, clientes e usuários”, mencionou José Pinheiro, presidente do SEEB-RO.

Fonte: rondoniadinamica

Prefeitura de Porto Velho lança programa de arborização Cidade + Verde

A Prefeitura de Porto Velho através da Sub Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Sema) fez o lançamento na tarde de quinta feira (16), na praça do Skate Park, do Programa Cidade + Verde, cujo objetivo é realizar o plantio e o monitoramento de 250 mil mudas de espécies regionais diversas nos próximos 3 anos.

Estiveram presentes secretários, vereadores, mais de 200 crianças e adolescentes de escolas públicas e privadas, além de idosos. As instituições participantes foram a escola Francisco Erse, Flor do Piquiá e Colégio Objetivo, além de idosos da Casa São Vicente de Paula.

O programa prevê o monitoramento e a realização de um trabalho educativo a partir das crianças. Todas as escolas e entidades parceiras receberam palestrantes que transmitiram mais conhecimento sobre a importância da arborização, como forma de contribuir com a melhoria da qualidade ambiental do município.

A SEMA está trabalhando com a perspectiva de um programa amplo para o meio ambiente. Os técnicos estão alertando quantoao papel de cada cidadão nesse processo, mostramos nas palestras a importância e o cuidado que devemos ter com as árvores e o meio ambiente.

Durante o lançamento alunos e servidores realizaram o plantio de 200 mudas no Skate Park, num ato que simbolizou o início do plantio das 250 mil mudas, até 2019.

Principal incentivador do programa, o prefeito Dr. Hildon Chaves solicitou à equipe da Assessoria em Arquitetura, Engenharia e Paisagismo e também à Sema que as ações sejam realizadas com plantios monitorados e que tragam embelezamento para a cidade. “É necessário que o desenvolvimento destas mudas seja acompanhado pelos técnicos, mas contamos também com a ajuda da população para evitar roubos, depredações e garantir o desenvolvimento de todas as mudas. Precisamos de uma cidade mais arborizada no futuro, o que garantirá a qualidade de vida para nossa população”, disse Hildon.

O objetivo principal é proporcionar a melhoria da estética, sombreamento, amortecimento de sons, diminuição da poluição sonora, proteção e direcionamento para os ventos, diminuição do impacto da água de chuva e seu escorrimento superficial, diminuição da temperatura, absorção dos raios solares e melhoramento da qualidade do ar.

O Programa já conta com a parceria do IBAMA, SEDAM, Amazonfort e CAERD. O subsecretário Robson Damasceno informou que o Viveiro Municipal produzirá as mudas, sendo 150 mil para a arborização rural e 100 mil para arborização urbana. “Trabalharemos com foco no combate ao desmatamento. Levaremos informação para o produtor rural e em algumas localidades faremos projetos modelos de Sistemas Agroflorestais (SAFs), isso demonstrará que Porto Velho não precisa mais desmatar e com as terras que já temos consolidadas poderemos ampliar a produção de frutas e madeira provenientes de florestas plantadas”, explicou Robson.
Fonte: rondoniaovivo

ONG treina e incentiva 42 atletas paralímpicos de alto rendimento em Rondônia

Há 14 anos trabalhando com pessoas com deficiência, o Rondônia Clube Paralímpico (RCP), já deu “frutos” importantes para o esporte nacional com atletas que começaram a treinar através do incentivo e voluntariado da organização não governamental (ONG).

Com sede localizada na Rua Rui Barbosa, Bairro Arigolândia, em Porto Velho, o RCP, que começou com apenas seis atletas, hoje treina 42 atletas de alto rendimento, e a exemplo de seus “frutos”, o presidente da ONG, professor de educação física e especialista em reabilitação através do esporte paralímpico, Silvio Corsino, cita Mateus Evangelista, Kesley Josué e Edson Cavalcante, todos do atletismo, vivendo atualmente em São Paulo com bolsa-atleta, e representando Rondônia no cenário do esporte nacional.

“A nossa filosofia é trabalhar unicamente pelo esporte como uma ferramenta poderosa de inclusão social, através de projetos inscritos em editais lançados pela Federação Nacional do Esporte, que destina recursos para a manutenção dos clubes e incentivo aos atletas. Não usamos a deficiência para pedir nada, mas trabalhamos pelo esporte como fonte de transformação”, declara o presidente.

O RCP conta com 15 profissionais voluntários, desde assistente social, médico, professores, fonoaudiólogo, psicopedagogos, fisioterapeuta, todos em prol do projeto de reabilitação e inclusão. São 300 associados ao clube, com 80 crianças de 8 a 17 anos matriculadas nas aulas de esporte. São atletas não só da capital, mas de Rolim de Moura, Espigão do Oeste, Jaru, Ariquemes e Candeias do Jamari.

“Contamos com parcerias importantes para que tudo isso aconteça. Os treinos de futebol são feitos no Estádio Aluísio Ferreira, a natação e o bocha são no Clube Ferroviário, e temos as academias que cedem seus espaços para as nossas atividades de inclusão e treinos”, completa Corsino. São oferecidos treinos de judô, futebol de sete, tênis de mesa, natação, bocha (esporte para pessoas com paralisia cerebral severa) e o atletismo.

Os associados não pagam taxa alguma para participar, basta o empenho para o esporte com compromisso. “Aqui as mães são muito participativas, são voluntárias. Temos o conselho de mãe, que aprova ou desaprova qualquer decisão partida da diretoria. Todo o trabalho é voltado para o bem comum de todo o grupo”, conta o presidente.

Com aluguel da sede a pagar e muito pouco patrocínio financeiro, contando com apenas R$ 1.200, o sonho do professor é a doação de um terreno onde pudesse construir uma pista de atletismo, espaços próprios para as atividades e a sede do RCP. “Sonhar não custa nada. Nós não pedimos nada a nenhum órgão público, nunca recebemos nenhuma emenda parlamentar, mas se alguém decidisse nos ajudar por vontade própria seria muito bem-vindo”, concluiu Corsino.

Fonte: rondoniagora

Publicidade
Publicidade
Publicidade