Publicidade

O adolescente Fernando Freitas, que estava desaparecido desde 11 de março, foi encontrado morto dentro de uma aldeia indígena em Ji-Paraná (RO), a cerca de 370 quilômetros de Porto Velho. O corpo do jovem de 15 anos foi achado em decomposição pelo próprio tio, durante a tarde de quarta-feira (5).

Conforme familiares, Fernando desapareceu em março na Aldeia Gavião, próximo ao distrito de Nova Colina, após ficar dentro do carro ouvindo música e desde então Fernando não foi mais visto. O jovem e os parentes, que são de São Francisco do Guaporé (RO), tinham ido ao local para fazer uma visita.

Continua depois da publicidade

Após o desaparecimento, os familiares realizaram várias buscas pelo jovem na mata, mas não obtiveram sucesso.

O corpo de Fernando foi encontrado por um tio, a poucos quilômetros de onde ele teria sido visto pela última vez e já estava em estágio avançado de putrefação.

De acordo com a madrasta do menino, Maria Lúcia, o cadáver foi achado em um local onde, possivelmente, os índios e os familiares já tinham procurado antes.

“Eu ainda não entendi, mas nós já tínhamos feito buscas em um raio de 20 quilômetros por várias vezes”, questiona.

O adolescente, que morava na cidade de São Francisco, estava em Ji-Paraná para realizar tratamentos psicológicos de depressão, segundo informou os familiares.

“Isto é uma coisa que a gente espera, mas não quer que aconteça. É muito triste perder um filho assim”, lamenta a madrasta do menino.

A família deve encaminhar o corpo do jovem para São Francisco do Guaporé, onde deverá ser enterrado, em data a ser divulgada.

As causas da morte devem ser apontadas por laudos do Instituto Médico Legal (IML) de Ji-Paraná.

Conforme os parentes da vítima, a Polícia Civil não realizou buscas dentro da aldeia por se tratar de uma área federal.

Procurada pelo G1 nesta quinta-feira (6), a Polícia Federal (PF) informou que ainda não recebeu oficialmente sobre o caso da morte do jovem na reserva.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.