Aumento de pacientes no Hospital de Amor da Amazônia, em Porto Velho, preocupa governo e Fundação Pio XII

A previsão feita pelo fundador da Fundação Pio XII, entidade que gerencia o Hospital de Câncer de Barretos e o similar em Rondônia, Hospital de Amor da Amazônia, de aumento da demanda por atendimentos no segundo semestre deste ano, preocupa. Na manhã deste domingo (8), Henrique Prata visitou o governador Daniel Pereira, já instalado no 9º andar do edifício Pacaas Novos, Palácio Rio Madeira, para desejar sucesso na gestão de Rondônia e fazer o alerta.

Criado em Rondônia em razão da enorme procura pelo Hospital de Câncer de Barretos, em São Paulo, o Hospital de Amor da Amazônia foi inaugurado em novembro do ano passado, com presença do presidente da República Michel Temer. Na ocasião, o presidente se comprometeu com os interesses da região.

Publicidade

Publicidade

Segundo Henrique Prata, no segundo semestre serão recebidos mais de 10 mil pacientes de Rondônia que estão  em Barretos fazendo tratamento, e mais a demanda que está vindo dos  estados do Amazonas, Amapá, Roraima, Mato Grosso e Acre, enchendo as casas de apoio. “E até me assusta o tanto que os estados vão se beneficiar de Rondônia. Então, de mãos dadas com o governador temos de achar uma solução para manter. Não tem caixa para tudo isso”, disse.

“O governador teve a sensibilidade de me receber num domingo, uma deferência do carinho dele com o Hospital de Amor da Amazônia. Fico feliz de saber que um homem simples e humilde tem incumbência tão grande. Vim dizer que preciso dele, mas também me coloco a disposição para articular pela saúde básica e alta complexidade, e não somente pelo câncer”, realçou.

Segundo Prata, a “experiência dura“  que teve na Santa Casa de Misericórdia de Barretos precisa ser compartilhada com o governador.  “Em 2 anos recuperamos a Santa Casa, que tinha uma dívida de R$ 330 milhões. O estabelecimento está completamente saneado.

O governador Daniel Pereira disse que a visita de Henrique Prata foi uma “surpresa muito agradável”, mas que também trouxe preocupação.  Único hospital fora do centro sul do Brasil que atende a população de Rondônia, ele também já está tendo demandas do Acre, Amazonas, Amapá, Mato Grosso e Roraima e isso tem custo.

Mantido com doações, contribuições de pessoas físicas e jurídicas e leilões realizados em Rondônia, um estado bastante solidário disse Henrique Prata na inauguração do hospital, o Estado contribui também com R$ 1 milhão e 950 mil todos os meses.

“Não é suficiente. Teremos de ser bastante criativos para buscar novas formas de financiamento, vamos até o presidente da República, ministro da Saúde e vamos dialogar com a sociedade. Porque o Hospital do Amor da Amazônia é a única possibilidade que uma pessoa pode ter de sobrevida, pode se salvar, e é algo que todos nós podemos precisar. E infelizmente, a cada dia que passa, mais gente precisa. Então, se é uma demanda que é de todo mundo, vamos coletivamente ajudar”, disse o governador Daniel Pereira.

Daniel Pereira lembrou que o governo do Estado, por iniciativa de Confúcio Moura, vem fazendo um trabalho de ajudar na manutenção. “Vamos ter que dar continuidade a ele e ampliar para atender as novas demandas; com a inauguração do hospital, o custo de manutenção é mais elevado. Os benefícios são grandes mas a responsabilidade é muito grande também. Temos de coletivizar isso”, declarou.

O governador e Henrique Prata, juntamente com Luiz Eduardo Maiorquim, adjunto da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) que assumirá a titularidade da pasta, breve iniciam articulações para acessar investimentos para manutenção do Hospital do Amor da Amazônia. “Fico feliz que o secretário Maiorquim continue no governo”, disse Prata a Daniel Pereira.

Source Secom Governo
Via Secom Governo
You might also like
Comments
Carregando comentários...