Publicidade

A canadense Maggie McDonnell foi anunciada neste domingo (19) como vencedora do Global Teacher Prize, considerado o Prêmio Nobel da Educação. Ela vive e trabalha em Salluit, uma aldeia indígena esquimó em uma região profunda do Ártico canadense, que é uma das áreas mais remotas do mundo, acessível somente por via aérea.
A premiação é uma das maiores do planeta e destaca a importância da profissão de educador e simboliza o fato de que professores em todo o mundo merecem ser reconhecidos e celebrados. O vencedor ganha um prêmio no valor de US$ 1 milhão.
Havia um brasileiro na disputa. Wemerson da Silva Nogueira, de 26 anos, que trabalha no Espírito Santo, ficou entre os 10 finalistas da iniciativa. Em uma escola municipal na cidade de Nova Venécia, ele elaborou uma estratégia para resgatar estudantes envolvidos com a criminalidade e reduzir o abandono escolar.
Isolamento
Maggie cresceu na zona rural da província canadense de Nova Escócia e, depois de concluir o bacharelado, trabalhou por cinco anos como voluntária na África Subsaariana, principalmente no campo da prevenção da Aids. Depois de concluir seu mestrado, voltou-se ao trabalho com indígenas do Canadá e, nos últimos seis anos, ensina em Salluit.
Apenas 1.300 pessoas vivem na comunidade onde Maggie dá aulas. Segundo uma biografia divulgada pelo Global Teacher Prize, todos os moradores são beneficiados pelo trabalho da professora.
Não há estradas para chegar ao lugar e, no inverno, as temperaturas podem chegar a -25º C. Por causa das condições severas, há elevada rotação de professores, o que é um obstáculo para a educação no Ártico. Muitos educadores deixam seu posto no meio do ano, e muitos são licenciados por estresse.
A população local enfrenta um quadro de destruição ambiental e desigualdade econômica. As taxas de abandono escolar também são altas, com muitas crianças deixando a escola ao longo do ano letivo ou pedindo licenças. Também há muitos casos de gravidez na adolescência e abuso sexual.
Luta contra o suicídio
Além disso, a comunidade enfrenta o problema dos suicídios – em 2015, foram registrados seis casos, todos entre homens de 18 a 25 anos. Diante da privação e do isolamento, adolescentes frequentemente se voltam às drogas, ao álcool e à autodestruição.
O trabalho de Maggie tem como objetivo motivar o retorno dos jovens à escola. Para isso, ela criou um programa que envolve os alunos em projetos que os interessam, como a criação de um centro fitness, uma cozinha comunitária e uma loja de produtos usados. Esses talentos e interesses são usados para abordar questões na comunidade e gerar reconhecimento ao trabalho dos alunos, elevando sua confiança.
Maggie também acolhe jovens temporariamente, inclusive alguns de seus alunos. “Em três ocasiões distintas, tive alunos que me agradeceram por salvar suas vidas. Todos eles passaram por momentos difíceis quando perderam amigos e familiares para o suicídio, ou experimentaram outros traumas”, diz a professora, em um texto divulgado pela premiação. “Cada um deles me procurou quando estava lutando contra seus próprios pensamentos de suicídio.”
Segundo o Global Teacher, ela usará o dinheiro do prêmio para criar uma ONG. A premiação aponta que o método da professora é transformar os alunos de “problemas” em “soluções” para a comunidade, através de “atos de bondade, que melhoram dramaticamente a frequência escolar”.

Fonte: G1

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.