Connect with us

Colunistas

A idiotice dos idiotas anti-PT

William Ricardo Grilli Gama

Published

on

Tenho observado a forma como as diferentes pessoas vêm reagindo às últimas notícias e tenho ficado cada vez mais triste com o que se tem permitido fazer com o nosso país. A cada dia lamento mais o aumento da ousadia dos idiotas e o aumento do volume de suas vozes cada vez mais estridentes a berrar idiotices de quem se acha arauto das mazelas da humanidade só porque é contra o PT e apoia o impeachment.
Chegamos num ponto preocupante e que temo ser sem volta: os que são contra o PT acreditam que são melhores do que os petistas. A onda de revolta contra a reação do José de Abreu (o que dizer do “formador de opinião” Alexandre Frota?) me mostra que vivemos tempos em que contra o petista se pode tudo, mas um petista não pode nada. O que é isso? Quem estaria jantando com alguém da sua estima (sua esposa, filha, mãe, irmã, amiga, etc.), alguém começa a te ofender e você não faz nada? Quantas vezes por uma ofensa à honra da mãe ou da mulher um soco encontro um rosto? A reação dele foi a que seria a reação de muitos “monges” que quiseram dizer que foi “coisa de petista”.
Mas quer dizer, então, que estes afirmam que defendem a democracia que o PT quer destruir, mas desde que nessa democracia ninguém defenda aquilo que eles não aceitem? Isso é ditadura! Daí eu assistir estarrecido que ao lado dos que exaltam a qualidade de certos serviços públicos do período do governo militar, também haja aqueles que louvam os evidentes excessos praticados pelos responsáveis pela repressão ocorrida durante o governo militar. Todo excesso é ruim. Inclusive o de opinião.
Todos nós queremos ser ouvidos e convencer e não queremos admitir que nós não temos condição de ter uma opinião, quanto menos temos condição de formarmos ou conformamos a opinião alheia.
Com seus palanques virtuais à parte de qualquer censura, as pessoas se inflam do alto de seus egos desmedidos tomadas de um acréscimo de uma autoestima cada dia mais injustificada e verborragizam seus preconceitos despudoradamente, num discurso cada vez mais raivoso contra aquele que mais do que seu diferente (aquele que o completaria em sê-lo quem é), faz-se seu rival. Odeia-se. Ri-se. Desmerece-se. Descarta-se. E, enquanto isso, acercam-se daqueles outros tantos idiotas que repetem as mesmas idiotices anti-PT, anti-esquerda, pró-Bolsonaro, pró-Intervenção Militar, sempre ditas sem maiores digressões, no que se legitimam uns aos outros e creem-se corretos em suas próprias incorreções e afundam o futuro do Brasil numa proposta de indiferença, intolerância e incompreensão cada vez mais irreversível.

ps.: mas os pró-PT são piores ainda… rs

Comentários Facebook

Colunistas

Empresas investiram mais em treinamentos em 2016, diz estudo

Jaqueline Ribeiro

Published

on

Demissões, corte de custos, cancelamento de projetos, enxugamento de operações. É este o cenário em boa parte das empresas brasileiras frente à aguda crise econômica enfrentada pelo país. Mas como elas estão enxergando quem fica e precisa trabalhar, muitas vezes, em dobro? Estudo realizado pela ABTD (Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento), com coordenação e análise da Integração Escola de Negócios, aponta que o investimento em treinamento e desenvolvimento (T&D) cresceu de 2015 para 2016.

No ano de 2016, o volume de horas de treinamento por colaborador no Brasil foi 33% superior ao registrado no ano anterior, passando de 16,6 horas para 22 horas, em média. O valor investido por funcionário é de R$ 624 por funcionário – crescimento de 24% em relação ao ano passado. “As empresas estão focadas em otimizar suas operações, e com isso cortando eventuais excedentes e investindo na capacidade e desempenho de suas equipes”, diz o estudo intitulado “Panorama do Treinamento no Brasil 2016”.

O estudo aponta que as empresas estão preocupadas em qualificar suas equipes com objetivo de ter um time mais competitivo para quando a situação externa melhorar.  Ainda assim, a média brasileira de investimentos no desenvolvimento dos profissionais se mantém abaixo da média norte-americana, que é de U$ 1.229 por colaborador.

Foram ouvidas 502 empresas, nacionais e multinacionais, de cinco setores (administração pública direta, comércio, indústria, organização sem fins lucrativos e serviços). O número médio de colaboradores entre elas é de 2707 funcionários.

Segundo o estudo, as empresas multinacionais realizaram neste ano carga de treinamento 38% superior às nacionais. Na análise por setor, as indústrias e as administrações públicas investem, respectivamente 25% e 80% menos por colaborador que a média nacional.

Treinamento para quem e para quê?

Cerca de 40% das ações de treinamentos realizadas são direcionadas para os líderes: 14% alta liderança, 26% gerência e supervisão. Considerando os outros 60%, grupo que agrega cargos de não líderes, o treinamento técnico é prioridade.

No geral, “melhoria no clima organizacional” é o indicador de T&D mais utilizado para as ações. “As empresas estão preocupadas em qualificar suas equipes em momentos desafiadores do mercado e ter um time mais competitivo para quando o cenário externo melhorar”, diz Fernando Cardoso, sócio-diretor da Integração Escola de Negócios por meio de nota.

Segundo o estudo, 47% do orçamento para treinamento das empresas é investido em terceiros e 15% das ações são realizadas à distância (e-learning). Um dado interessante é o indicador que mede o absenteísmo nos programas formais. O estudo aponta que ele tem caído, ou seja as pessoas têm comparecido mais aos treinamentos propostos. Em 2016, o índice de absenteísmo foi de 12%, apresentando uma melhora de nove pontos percentuais em relação ao ano anterior.

Fonte: Época Negócios

Comentários Facebook
Continue lendoo

Brasil

ESTE ANO VAI COMEÇAR. E TOMARA QUE TERMINE LOGO!

Redação

Published

on

Finalmente o ano começou de verdade, embora seja um ano brasileiro típico: daqui para  a frente, teremos ainda uma dúzia de feriadões, daqueles que causam, cada um, alguns milhões de reais de prejuízos à nossa já combalida economia. O que pode mudar, daqui para a frente? A economia melhorou um pouco, praticamente por si só, porque as medidas do governo, ao menos até agora, têm sido frágeis, para não dizer pífias. Como sempre, o poder central vive em função de crises políticas  e envolvido com as questões do seu próprio umbigo, relegando as grandes necessidades nacionais a um terceiro plano. Exemplo claro: que medida prática, objetiva, segura, foi tomada pelo Presidente Temer e sua equipe para combater efetivamente o desemprego? O que foi feito, além de paliativos, discursos e promessas, para colocar de volta no mercado aqueles 13 milhões de brasileiros que estão no olho da rua, sem ter como sustentar suas famílias? Enquanto todos os dias se fica sabendo do envolvimento de mais um poderoso na roubalheira da Lava Jato (os ladrões do PT, com exceções importantes, já estão na cadeia. E os outros?), o país continua andando para trás. Não há uma política econômica clara, definida, que aponte para resultados positivos, nem a médio e nem a longo prazos. Nossos governantes nos martirizam com a máxima da burrice: repetem tudo do mesmo, todos os dias, esperando resultados diferentes. Quando isso acontecerá, se não houver medidas radicais e transformadoras? Nunca, é a resposta óbvia.

Em Rondônia, estamos tentando viver à margem da crise nacional. O agronegócio ainda nos mantém com um nível de vida e de emprego melhores que a média nacional. Mas é sempre bom lembrar que temos um dos salários médios mais baixos do país, perdendo até para algumas regiões do Nordeste. Não há grande desemprego, mas os nossos salários são ainda muito abaixo do ideal. Não estamos quebrados (e isso se deve muito ao estilo responsável de governar de Confúcio Moura e sua turma), mas também temos que viver de rezas para que a crise avassaladora que vai para seu terceiro ano, não nos atinja mais do que atingiu. O ano começou. Será que teremos que torcer para que termine logo, para levar junto o nosso sofrimento, como Nação?

CONFÚCIO CONCLAMA

Há que se elogiar, do começo ao fim, artigo publicado em sua página no Face e em vários sites, pelo governador Confúcio Moura, conclamando a classe política e principalmente os membros da bancada federal do Estado, a votarem favoráveis às medidas que estão no Congresso e que, segundo ele, podem ajudar a salvar o país. “Quero pedir aos Senadores de Rondônia e Deputados Federais, para darem a necessária demonstração de esperança ao nosso País. Quero pedir o voto de vocês para a PEC que regula as negociações com os Estados e as devidas contrapartidas. Sem emendas. Sem medo de ter seu nome criticado por corporações. Sem medo ter seu nome nos outdoors em todos os municípios”, conclamou. Ainda acrescentou: “não só esta proposta, mas todas as demais de que o país exige no momento, com atitudes patrióticas e salvadoras. O ajuste do país é necessário!”.

REPÚBLICA DE BANANAS

Depois de lembrar que, como deputado, tem orgulho de ter votado medidas que, à época, eram impopulares, porque priorizava os interesses nacionais, o Governador rondoniense afirmou: “ou se age como deve e precisa, a classe política, ou iremos caminhar para sermos, de verdade, uma República das Bananas. E o parlamento, ao invés de legislar como deve, ficará eternamente refém dos atos judiciais, principalmente, entulhando o STF de pendengas que deveriam ser resolvidas no Parlamento. Para ser político, e o novo político que o povo exige, tem que se ter uma atributo indispensável – A CORAGEM”. Para ele, os graves problemas nacionais têm muito menos a ver com a economia e muito mais com a política. Confúcio tem razão nesse caso. Em gênero, número e grau!

EDGAR ESTÁ DANDO DURO!

Mauro Nazif anunciou que sua administração tinha investido pesado na compra de mais de 300 equipamentos de todos os portes e para poderem realizar grandes obras. Quando Hildon Chaves foi eleito prefeito, determinou que seu vice, Edgar Tonial, o Edgar do  Boi, cuidasse delas, para tocar um pacotaço de obras então planejadas. Não deu certo, ao menos no início. Na verdade, em termos de equipamentos pesados, que poderiam ser usados em obras e manutenção da cidade, menos de 150 estavam comprados. E dessas máquinas e equipamentos importantes, apenas 32 funcionavam ( pouco mais de 21 por cento). Todos os demais estavam parados, por uma série de problemas. Em menos de dois meses, 70 por cento das máquinas então inúteis foram recuperadas. Estão sendo usadas hoje em 31 diferentes frentes de trabalho. Edgar cumpriu a missão. E diz que a atual Hildon Chaves, de quem ele é vice, vai transformar Porto Velho. Tomara que ele esteja certo e não seja só discurso!

PIMENTEL COMEMORA

Com razão, o secretário de saúde do Estado, Willames Pimentel, comemorou, via redes sociais, o fato de que, em plena terça-feira de carnaval, existirem leitos vazios no Pronto Socorro João Paulo II. Normalmente, nessa época, o hospital estaria superlotado, com dezenas de pacientes espalhados por camas improvisadas e até no chão. Claro que a população colaborou, tendo cuidados no trânsito, diminuindo brigas e conflitos. Mas a verdade é que há sim o que comemorar. Pimentel comentou: “Em pleno carnaval estamos trabalhando com vários leitos livres no Pronto-Socorro João Paulo II, isso é resultado de uma política séria com gestão e responsabilidade voltada a saúde e conscientização da população”. O secretário comemorou o evento e, ao mesmo tempo, puxou a sardinha para sua brasa. Fez certo, até porque é esforçado e competente!

ACHAQUE AO CONTRIBUINTE

Essa quinta abre a temporada de caça ao pagador dos impostos, nesse Brasil onde o contribuinte paga os maiores e mais pesados tributos do Planeta, até por receber quase nada de retorno. Milhões de trabalhadores brasileiros começarão a declarar seu imposto de renda, dos  ganhos relativos ao ano passado, com correção ridícula, muito abaixo do que deveria ser perto do justo.  Mais de 28 milhões de pagadores do IR deverão prestar contas ao Leão, sabendo que seu rico dinheirinho, conquistado à custa de muito trabalho (claro, com as exceções daqueles que ganham milhões surrupiando o que não é deles e às custas dos cofres públicos), jamais retornará em um percentual sequer aceitável, com benefícios de saúde, educação, segurança e tudo o mais do que tanto precisamos. Para quem não sabe: nas relações trabalhistas, por exemplo, 85 por cento de tudo o que as empresas gastam, representam impostos. A grande maioria dos recursos para sustentar poderes com obesidade mórbida. Uma vergonha!

PERGUNTINHA

O que você achou das penas iguais, de sete anos e meio de prisão, para o delator da Lava Jato, Alexandrino Alencar, enrolado com grandes roubalheiras e a doméstica Kelly Gomes da Silva, que roubou algumas fraldas de um supermercado?

 

Comentários Facebook
Continue lendoo

Brasil

EMOÇÃO E ALEGRIA: UMA MULTIDÃO NA BANDA DOS DINOSSAUROS

Redação

Published

on

Tem emoções que, mesmo com a idade indo longe, ainda se sente profundamente, quando se vive um daqueles eventos especiais da vida. Foi o que um grupo de conhecidos nomes da TV e do Rádio de Rondônia viveu nesse sábado, durante o desfile dos 37 anos de existência da Banda do Vai Quem Quer. Na linha de frente, puxando algo em torno de 100 mil carnavalescos, lá estavam vários bonecos. Entre eles, os dos Dinossauros, o sexteto que mexeu com a mídia rondoniense e se transformou, em pouco mais de cinco anos, no maior fenômeno de audiência dos meios de comunicação em todo o Estado. O grupo, criado e idealizado pelo empresário e homem de comunicação Everton Leoni, foi o principal homenageado no desfile da Banda, nesse sábado de carnaval. Everton, o criador, não pôde estar presente, para ver de perto o quanto ele e suas criaturas são queridas pelo grande público. Ele e o professor Jorge Peixoto, também ausente, foram representados por Beni Andrade (sempre o mais procurado pelos fãs dos Dinos), Léo Ladeia, Domingues Júnior e Sérgio Pires. Como traduzir em palavras, toda a alegria que os Dinos sentiram, na concentração e no desfile da Banda? Como agradecer às dezenas e dezenas de pessoas que lá estiveram e que faziam questão de abraçar, de pedir para fazer fotos e selfies junto com os Dinos; como conseguir dizer a tanta gente que, mesmo curtidos pelos tempos, os velhos jornalistas se sentiram jovens de novo, pela festa e pelo calor do público?

Embora essa coluna seja, no seu dia a dia, dedicada a comentários políticos, informações gerais e críticas, a desse domingo abre espaço para que se registre e comente algo que, normalmente, não se faria. A Banda do Manelão está se tornando cada vez maior e cada vez mais forte. Ela representa hoje um marco na cultura popular, continuada por Siça Andrade e sua turma, ela filha do General, que decidiu tocar em frente o legado que ele deixou. A presença de uma multidão, geralmente num clima de paz e alegria, comprova isso. A homenagem aos Dinossauros foi um detalhe a mais, que se destacou na enorme festa do sábado. A Banda merece todos os aplausos. E os Dinos, velhos homens da mídia, voltaram para casa ainda mais agradecidos pelo que viveram nas ruas de Porto Velho. Eles se sentiram tão grandes quanto os bonecos que os representaram, graças ao apoio da multidão. (Sérgio Pires)

CURA MILAGROSA

Tem que se investigar, até para dar explicações claras e contundentes ao cidadão porto velhense. O caso é grave e exige que o Poder Público divulgue todo o resultado dos levantamentos que estão sendo feitos. A pergunta é simples: por que, na Prefeitura de Porto Velho, havia uma média mensal de 1.600 servidores com atestados médicos e nos dois primeiros meses de Hildon Chaves esse número caiu para menos de 500? Que milagre foi esse que curou, de forma surpreendente e com rapidez inacreditável, tantos barnabés que estavam afastados do trabalho, por problemas de doença? Se foi descoberta a cura milagrosa de tantas doenças ao mesmo tempo, que se divulgue para que os doentes da cidade também sejam beneficiados. Tirando fora a ironia, é claro que tem arroz queimado nessa história…

PERDAS NO CARNAVAL

Não foi uma sexta-feira de carnaval feliz para muita gente em Porto Velho. O dia trouxe a triste notícia da morte de duas personalidades bastante conhecidas, uma na política, outra na imprensa. A morte do ex secretário e ex vereador Abelardo Townes de Castro, enlutou não só seus familiares e amigos, mas também o PMDB, partido onde militou durante décadas. Abelardo tinha sofrido um AVC há algum tempo e desde lá não se recuperou mais. Uma grande perda, sem dúvida. Outra morte foi do Campeão. Assim era conhecido Gilson de Oliveira, jornalista esportivo que dedicou sua carreira profissional à crônica esportiva. Grande caráter, sempre feliz e sorridente, respeitado como jornalista e homem de muitos amigos, deixou uma profunda tristeza no meio da mídia. Triste sexta, para todos nós que convivemos com Abelardo e com Gilson.

KIT DE PRIMEIROS SOCORROS

Atenção motoristas desaviados: a lei absurda e idiota, que obriga o uso de faróis ligados com o sol a pino, nas estradas federais, continua valendo. Não há prova sequer de um caso, em todo o país, de que algum acidente tenha sido evitado pelo uso de faróis ligados, num país onde a claridade é intensa e a visibilidade muito boa, por quilômetros; não há tempestades de neve; não há nada que justifique, com alguma razoabilidade, o uso do equipamento. Mas os gênios que dominam as questões do trânsito no Brasil (os mesmos que inventaram o tal kit de primeiros socorros e depois um tipo específico de extintor de incêndio), acham que essa aberração vai diminuir os acidentes. A Polícia Rodoviária Federal, que é obrigada a cumprir a lei, por mais idiota que ela seja, está multando quem não usa os faróis durante o dia. Dezenas de carros já foram autuados tanto na região de Porto Velho como no interior, principalmente na BR 364, mas também em outra\s rodovias. Cuidado, portanto.

MORADIA CONTRA O CÂNCER

Há que se tirar o chapéu para o deputado Aélcio da TV. Morador de Porto mesmo assim ele não pode abrir mão do auxílio moradia. Avisou, em sua campanha, que, se eleito, doaria todo o dinheiro para instituições de caridade. No primeiro ano, fez a doação para oNúcleo de Apoio à Criança com Câncer. No ano passado, repetiu a dose, entregando um cheque de 33 mil reais, valor total do auxílio, para a construção do novo Hospital do Câncer de Porto Velho. A atitude merece, sim, ser destacada, apesar de uma ou outra voz considera-la demagógica. Não é. Por que um parlamentar que mora na cidade, tem que ganhar auxílio moradia? E por que não tem o direito de abrir mão dele? Se não o quer, como Aélcio não quis, é justo que destine os recursos de forma a beneficiar a quem muito mais precisa. Os valores relativos a 2017, da mesma forma como o foram nos dois primeiros anos de mandato, serão novamente destinados a entidades benemerentes, confirma o parlamentar.

FICHAS NA MESA

A política começa a fervilhar, a partir do segundo semestre deste ano, para entrar em ebulição entre março e setembro do ano que vem. Tem eleiçãopor aí e eleição das mais complexas. A mobilização de vários nomes importantes, na tentativa de se consolidar para a disputa, é notória. Algumas figuras importantes já andam na boca do povo, mesmo tanto tempo antes das urnas. Confúcio Moura deixa o governo, após o segundo mandato, com nota alta e vai concorrer a uma vaga ao Senado. Valdir Raupp também, Mas eles terão concorrente de peso, como o bom de voto Expedito Júnior. Acir Gurgacz quer o Governo, mas terá contra si, provavelmente, um dos nomes que mais cresce na política rondoniense: o do presidente da Assembleia, Maurão de Carvalho. Que ninguém esqueça de outros poderosos ante o eleitorado, como Ivo Cassol e o prefeito Jesualdo Pires, de Ji-Paraná. Quem estará mesmo com a foto na urna eletrônica em 2018? As fichas começam a ser colocadas na mesa.

DINHEIRO JOGADO FORA

Na administração anterior, logo que assumiu, o prefeito Mauro Nazif decidiu investir pesado na compra de máquinas e equipamentos próprios. Os investimentos foram altos. Quatro anos depois, o resultado é o pior que se poderia esperar. Quase 90 por cento do total de mais de 60 máquinas estão paradas, quebradas, fora de combate, por falta de peças e outros problemas de manutenção. Algumas poucas que ainda estão em condições de uso, pouco podem ajudar no trabalho que a Prefeitura realiza nos bairros. Um levantamento que está sendo feito na Prefeitura, por técnicos da Fundação Getúlio Vargas, detectou esse grave problema. No governo Hildon Chaves, provavelmente, as máquinas estragadas não serão recuperadas, já que a preferência será dada à terceirização, porque a tese é de que ela custa menos muito menos do que manter um parque próprio, que tem altíssimo custo de manutenção. Em breve, se ouvirá falar mais do assunto.

PERGUNTINHA

Você, que está na festa do carnaval desde o meio da semana passada e só vai parar na madrugada de quarta, não está enchendo a cara de pinga e depois saindo por aí, dirigindo, não é?

Comentários Facebook
Continue lendoo
Advertisement

Mais visualizados