Publicidade

Eis a realidade: começou no Espírito Santo a desobediência da PM, polícia armada, que ignora a Constituição e faz greve. Nas maiores cidades brasileiras, o desemprego é galopante. Quase um ano depois de tomar posse, o novo governo só conversa, mas não consegue amenizar a crise econômica. O Bolsa Família terá, só nesse ano, mais de 1 milhão e meio a mais de famílias, desesperadas e sem ter o que comer, porque não há trabalho. Nas capitais, principalmente, mas também na maioria das cidades do país, os jovens sem formação estão entrando em desespero, porque são ignorados por um mercado de trabalho cada vez mais exigente e menos receptivo a dar novas oportunidades. Em Porto Velho, onde as coisas ainda não estão tão ruins, milhares de jovens correm atrás do primeiro emprego, mas nada conseguem. O triste retrato atual do país poderia ter coisa pior? Claro que tem. Tem a violência fora do controle, dominada de dentro dos presídios e leis produzidas por um Congresso inepto e corrupto, que se preocupa em cuidar dos direitos dos bandidos, mas não de suas vítimas. E há parte importante do Judiciário e do Ministério Público, formado por cabeças que estavam nas faculdades nos tempos da ditadura e que mantém, em suas posições, o que aprenderam nos bancos universitários, como se ainda vivêssemos na época dos milicos, defendendo apenas que os bandidos são “vítimas da sociedade”. Não é uma absurda e doentia inversão de valores, já que as vítimas nunca são lembradas?

Liberam-se migalhas do FGTS, para amenizar um pouco a pressão. Brasília continua vivendo apenas no seu mundo, onde a luta pelo poder é o único mote de quem deveria se preocupar com a vida de milhões de brasileiros. Se faz de conta que a PM não está em guerra; de que não há 13 milhões de desempregados; que o país não está dominado pelo crime: que a República Sindicalista não impera no ineficiente e emburrecido serviço público; que a ladroagem não chegou aos mais altos postos da Nação. As coisas ruins encheriam rapidinho uma enciclopédia, e A a Z. De bom mesmo, só o instinto de sobrevivência do povo brasileiro, que mesmo com tudo isso e com os governos que têm escolhido, um pior que o outro, continua lutando. Não fosse isso, não haverá nem trem, nem luz e nem túnel, quem dirá alguma luz no fim do túnel…

ENTENDEU, CARA PÁLIDA?

Para que não paire dúvidas e as coisas fiquem bem claras: essa coluna apoia totalmente a decisão do prefeito Hildon Chaves de acabar com o famigerado quinquênio para os servidores municipais e todos os demais penduricalhos que transformam os barnabés em castas, recebendo benefícios que os trabalhadores comuns jamais tiveram e nunca terão. Direitos e deveres iguais a todos, é o que se defende por aqui. Portanto, quem interpretou diferente, se enganou, como o leitor Jonatas Silva, que enviou mensagem protestando porque a Opinião de Primeira estaria contra essa ideia da nova administração municipal. No geral, tal proposição do Prefeito é das mais positivas, beneficiando a grande maioria da população, que já paga impostos demais e que ainda tem que bancar vantagens sobre vantagens ao funcionalismo. O que se protestou – e também fica mantido – é que ao mesmo tempo em que corta essas excrecências dos concursados, Hildon encheu a Prefeitura de comissionados. Acertou em cheio na primeira decisão, errou redondamente na segunda. Deu pra entender, cara pálida?

CONTRIBUINTE É CHATO?

Anuncia-se greve do funcionalismo municipal, em protesto contra a nova lei dos quinquênios. Em relação à maioria dos trabalhadores da Prefeitura, certamente pode-se dizer que será um problemão para a cidade. Mas para alguns milhares, nada vai mudar. São os que estão em seus empregos como se estivessem cumprindo pena. Cumprem suas obrigações com má vontade, tratam o contribuinte como os chatos que vão tirar seu sossego e sua paz, nos órgãos públicos e não como os que pagam seus salários. Para esses, que infelizmente não são poucos, a greve é apenas mais um motivo para não ir onde têm ojeriza de trabalhar. Eles são conhecidos nos postos de saúde, nas clínicas, em todos os órgãos que têm atendimento ao público. Em relação a esses, a ausência no trabalho não vai mudar. Não farão falta. Já os outros, dedicados e que respeitam a população, esses sim, deixarão uma grande lacuna, até voltarem aos seus postos.

CONFUSÕES NO AEROPORTO

Nas últimas semanas, vários casos de confusão foram registrados no aeroporto internacional de Porto Velho. Todas as ocorrências tiveram os mesmos personagens. Uma delas, uma mulher, doente mental e bastante conhecida na região, eventualmente têm um surto e acaba causando algum dano no local. Na última vez, ela quebrou uma janela de vidro. Detida, foi para a cadeia, até se acalmar. Quando foi libertada, horas depois, não queria sair da cadeia. Teve que ser retirada na marra. O outro, é um haitiano, que também aparenta ter problemas mentais, é agressivo e que usa as próprias mãos para roubar comida no prato de quem está almoçando na área de alimentação. Na última vez, ao ser chamado a atenção por um garçon (o conhecido Maradona, que trabalha num dos restaurantes do aeroporto), o haitiano agrediu violentamente o trabalhador. Ficou preso poucas horas e no dia seguinte já estava de novo no aeroporto. Não está na hora de resolver esse problema?

ANORMAIS APAIXONADOS

Na maioria dos casos, são grandalhões. São fortes. São agressivos. Se acham acima da lei (e o são) e não respeitam nada e ninguém. Internados em “unidades de recuperação”, que são a antessala da Universidade do Crime, os “dimenior” mandam e desmandam nessas instituições, E ai de quem quiser confrontá-los. Os agentes penitenciários, que o PT e a sua turma apelidou carinhosamente de “sócio educadores” (arghhhhh!), sofrem nas mãos desses bandidos. Apanham, sofrem e ainda correm o risco, caso reajam à altura, de serem processados e demitidos, como se fossem eles os criminosos e não os menores criminosos que estão nessas unidades. Nessa quarta, mais uma vez houve uma rebelião desses marginais, no Centro do Menor de Porto Velho. Oito deles foram para a Delegacia, apenas para cumprir a encenação de que terão que responder por seus atos. É isso, com essas leis que dão vontade de vomitar, criadas por anormais apaixonados por teorias que não funcionam contra criminosos em nenhum lugar do mundo, que temos que suportar todos os dias. Trágico!

MAURÃO NA URNA

O presidente da Assembleia, deputado Maurão de Carvalho, assumiu oficialmente, nessa quarta, seu segundo mandato consecutivo no comando do parlamento rondoniense. Maurão entra para o desafio, com os olhos voltados para os avanços do legislativo estadual, sob sua presidência, mas também pensando alto, em relação às eleições gerais do ano que vem. Ele é, até agora, o nome mais forte do PMDB rondoniense para entrar na briga pela cadeira de Confúcio Moura. Experiente e cada vez mais respeitado, o deputado de cinco mandatos, com uma carreira política invejável, é nome quentíssimo na corrida pelo Governo em 2018. Certamente muita água vai rolar embaixo da ponte, mas a possibilidade de que a foto de Maurão esteja na urna da eleição majoritária, no próximo ano, é cada vez mais plausível.

PERGUNTINHA

Deve ter todo o crédito pesquisa nacional que aponta o ex Presidente Lula como um percentual de mais de 33 por cento de intenções de votos para voltar ao Planalto, na eleição do ano que vem?

Comentários Facebook
Publicidade Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.