Publicidade

Um pastor da cidade Nova Brasilândia D’Oeste (RO), na região da Zona da Mata, foi preso na sexta-feira (20) suspeito de ter abusado sexualmente de duas enteadas, de 7 e 15 anos. De acordo com a Polícia Civil, a prisão preventiva do suspeito foi pedida após a confirmação das vítimas e de testemunhas.

Conforme o delegado Alexandre Baccarini, as duas meninas passaram por exame de conjunção carnal, realizado para comprovar se as vitimas sofreram ou não violência sexual.

Continua depois da publicidade

“O resultado do exame indicou que a mais velha teve relação sexual há pouco mais de 30 dias. Já a mais nova, ficou comprovado que ela ainda não teve relações sexuais. Segundo as vitimas, a mais nova era ameaçada e obrigada praticar de sexo oral com ele”, revela.

O delegado informou que várias testemunhas confirmaram as denuncias contra o pastor, inclusive suas duas enteadas e a mãe delas.

“Recebemos a denuncia do Conselho Tutelar e demos início as investigações ouvindo as pessoas mais próximas e quase todas confirmaram ou desconfiavam dos abusos praticados. A mãe revelou que desconfiava dos abusos, pois já havia flagrado o companheiro em atitude suspeita”, conta.

Baccarini diz ainda que uma tia das meninas procurou a polícia para denunciar o pastor por ameaça.

“Conforme a mulher, ela desconfiava das atitudes do homem, porém teve medo de denunciar, pois o suspeito o ameaçava dizendo que mexeria com suas filhas pequenas também, caso acontecesse alguma coisa com ele”, fala.

A Polícia Civil investiga ainda se homem fez outras vítimas. “Como ele era pastor e tinha acesso há muitas pessoas, existe a possibilidade de ele ter utilizado do cargo para praticar crimes. Quem souber de algum caso pode nos procurar para denunciar, que vamos investigar e anexar no inquérito contra ele”, comenta o delegado.

Rogério Aderbal
Do G1 RO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.