Publicidade

Ouviu-se, na Câmara Federal, que o fim da obrigatoriedade do imposto sindical (ele vai acabar sim, mais dia, menos dia!), será uma espécie de Lei Áurea, libertando milhões de trabalhadores do jugo da República Sindicalista, implantada no país desde os anos 40. Milhares de sindicatos vivem apenas do famigerado imposto, muitos deles picaretas e que apenas servem como pano de fundo para ações ideológicas, se lixando para seus associados e enchendo os bolsos de meia dúzia. Há um grande movimento para que o imposto deixe se ser obrigatório e passe a ser opcional. Ou seja, o trabalhador, se quiser, pagará para um só sindicato, à sua escolha. Obrigatoriedade, nunca mais! Pode demorar um pouco, mas os malandros que vivem do sindicalismo baseado apenas em dinheiro de um tributo obrigatório, vão ter que explorar em outra área. A decisão, quando ocorrer, vai acabar com o domínio de meia dúzia de sindicalistas que infernizam o serviço público, como o que quase ocorreu em Porto Velho, de novo. A diferença é que o prefeito Hildon Chaves está disposto a pagar para ver. Como várias entidades de servidores municipais anunciaram greve, em função do fim do quinquênio o tucano já avisou: suspende temporariamente a decisão, para debater mais, mas vai manter sim seu programa de cortes de penduricalhos salariais. E mandar descontar os dias parados, caso haja greve. Acabou o mimimi de sindicalistas, que decidiam como a Prefeitura deveria trabalhar. Hildon está certíssimo nesse quesito. Está errando com o festival de cargos comissionados. Mas daí já é outra história. Tem que ser elogiado pelo que está fazendo certo e criticado pelo que faz de errado. No caso do fim do quinquênio, está correto. No dos cargos comissionados, errado…

Em todo o país, o sindicalismo sério e representativo, é fundamental para a democracia. Mas aqueles que vivem só de verbas oficiais, cujos dirigentes só trabalham na defesa de interesses pessoais e de suas ideologias partidárias (e que, infelizmente, formam uma espécie que se reproduz com enorme facilidade), precisam ser eliminados,. Pelos próprios trabalhadores. Só falta dar a eles, associados, o poder de colocar um ponto final nessa sacanagem. Nada de imposto sindical! Lei Áurea, para os pobres trabalhadores brasileiros…

O LEITOR OPINA

Texto enviado à coluna pelo leitor Wiveslando Neiva (wiveslando@uol.com.br), sobre a interfência absurda do Tribunal de Contas do Estado, nas obras do Espaço Alternativo: “Concordo com o colunista. A forma como o TCE vem agindo com a obra do Espaço Alternativo deixou de ser republicana há muito tempo. É por comportamentos deste tipo que os únicos pontos turísticos de Porto Velho são de 1911 (é pra acabar um negócio desse!). Nós, cidadãos de PVH, vemos as cidades do interior crescendo, se embelezando e trazendo satisfação aos moradores, mas aqui é muito pelo contrário. Hoje o Tribunal de Contas parece ter “saído do controle”: quer mandar mais do que Governador, quer escolher as políticas públicas; quer dar o pitaco em tudo. Mas voltemos à obra do Espaço Alternativo: como bem disse o colunista, parece que aquela Corte de Contas não consegue se entender sobre essa obra, agindo com total desrespeito ao povo porto velhense. É notória a falta de razoabilidade do uso da “Tutela Inibitória” que o TCE tem usado desenfreadamente e de forma desproporcional, determinando a suspensão de obras importantes em razão de meras irregularidades formais, que tem atrasado sobremaneira a conclusão de obras de infraestrutura. Penso que está na hora do TCE rever a maneira incoerente que vem utilizando para determinar a suspensão das obras!. Precisa dizer mais?.

A GRANDE FESTA DOS DINOS

Por si só, a Banda do Vai Quem Quer, do inesquecível Manelão, da Siça Andrade, da Yale Dantas, do Zé Katraca e de tantos outros personagens da cidade, já é uma imensa atração. Imagine-se agora com outro destaque: bonecos gigantes dos Dinossauros, o sexteto que é o maior destaque da mídia rondoniense. Everton Leoni, Domingues Júnior, Beni Andrade, Léo Ladeia, Jorge Peixoto e Sérgio Pires vão estar na avenida, representados por aqueles enormes bonecos, que ficaram conhecidos no Brasil e no mundo a partir do carnaval de Olinda. A homenagem, segundo a diretora Siça Andrade, filha do Manelão, é um reconhecimento pelo trabalho que os Dinossauros fazem na TV e rádio, em benefício da comunidade. Vai ser uma grande festa, no sábado, com os Dinos gigantes sambando no desfile da Banda…

MUDANÇAS PARA 2018

Os olhos e os planejamentos já estão voltados para 2018, também, no Governo rondoniense. No lado da administração, as novas mudanças que começaram nesta semana e continuarão no pós carnaval, têm, num primeiro momento, a intenção de preparar a máquina para o final de mandato de Confúcio. Ao menos é o que diria a voz oficial do Palácio Rio Madeira/CPA. Mas, num pacote de medidas, que iniciou há mais tempo (o principal exemplo foi a troca no comando da Seduc, onde Confúcio exige resultados rápidos e onde colocou um dos seus homens de confiança, Waldo Alves), há também conotações voltadas à sucessão e nos futuros planos da turma governista, incluindo-se aí os do comandante em chefe. Que, se nada mudar, vai estar com sua foto na urna eletrônica no ano que vem, disputando uma vaga ao Senado.

SUGESPE E FHEMERON

Uma das alterações foi no comando da Sugespe, onde a até há pouco poderosa Isis Queiroz foi substituída por Elvandro Ribeiro, outro personagem dos mais chegados a Confúcio Moura, ao seu lado desde o primeiro dia do primeiro mandato. Claro que ninguém fala abertamente, mas Ísis entrara em rota de colisão com algumas personalidades da política com quem não teve cacife para enfrentar. Elvandro chega para pacificar essa área sensível, muito próxima ao Governador, com sua larga experiência e com o que seus amigos destacam como de grande importância: é de unir parceiros e não de separá-los, conforme uma fonte palaciana. Outra mudança que ocorrerá, mas no pós carnaval, será na Fhemeron. Sai o competente e dedicado Orlando Ramires e entra o ex vereador petista Sid Orleans. Até quando Orleans continuará no PT, não se sabe. Tem mais alguma coisa no ar. Em breve, novas notícias no quesito mudança de time poderão ser anunciadas.

CAPITAL DA BANDIDAGEM

Tudo o que não presta vem para Rondônia. Para o presídio federal, mais objetivamente. Todas as semanas, o Ministério da Justiça faz uma relação dos criminosos mais terríveis do país e, já se sabe de antemão, quando tem que transferi-los, os manda para cá. A nova leva de gente que não presta, que destrói e assola o país, chegou n aquela famoso avião preto da Polícia federal. Entre eles, Francivaldo Rodrigues Lima, o ‘Pantaneiro’, um dos maiores facínoras que a violência que apavora nosso país já produziu. Ele faz parte da nata do crime. É um dos poucos chefões que tem o poder de determinar sentenças de morte em qualquer lugar desse Brasil. Usa e abusa de celulares, mesmo estando em cadeias consideradas extremamente seguras. Até a polícia tem medo dele. É esse tipo de lixo que nos mandam para cá, todas as semanas.

JEAN E SEUS PLANOS

O deputado Jean Oliveira tem apenas 28 anos. É jovem ainda. Mas completou, recentemente, dez anos de vida pública. Já foi o vereador mais jovem e cumpre seu segundo mandato como deputado estadual. Na Assembleia, chegou também como recordista de pouca idade: com apenas 21 anos. Dedica muito do seu mandato para apoiar o agronegócio e os pequenos produtores. Quer uma Rondônia produzindo, mas cuidando das questões ambientais. Defende a regularização fundiária com unhas e dentes. Tudo isso e muito mais ele conta a Sérgio Pires, em entrevista que vai ao ar neste sábado, 10h30 da manhã, na Record News Rondônia, Canal 58. O bate papo é apresentado simultaneamente pela SKY (Canal 358) e pela TV a C abo (Canal 17).

PERGUNTINHAS

Quem está governando e mandando de verdade, na prática, nessa confuso Brasil: o Presidente da República? O Congresso? O Judiciário? O Ministério Público? Os Tribunais de Contas? Ou ninguém mais manda nada nesta esculhambação?

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.