Informação a Serviço da População.
Centranet

PGR pede Condenação de Valdir Raupp por corrupção e lavagem de dinheiro; Raupp traiu seu mandato, diz Raquel

Valdir Raupp tem o pedido de condenação reforçado em suas alegações finais pela procuradora-geral da República, Raquel Dogde, por lavagem de dinheiro e corrupção passiva no âmbito da Operação Lava Jato.

Raupp é acusado de receber propina da Queiroz Galvão no valor R$ 500 mil, para custear sua campanha ao Senado no ano de 2010, segundo consta na denúncia, o dinheiro foi enviado através de doação aparentemente legal, contudo era fruto de um esquema de corrupção na Petrobrás.

Em diversas oportunidades o Senador tem se manifestado dizendo que se trata de doação legal de campanha, contudo a PGR ao acusar Valdir Raupp, alega a tese que vem ganhando força na Operação Lava Jato, de que as doações oficiais eram na verdade usadas para lavar dinheiro de propina das empreiteiras para os políticos.

Publicidade

Publicidade

Raupp já se encontra no banco dos réus desde de março de 2017, e tem como advogado um dos maiores e mais caros criminalistas do Brasil, quem inclusive defende outros réus da Lava Jato, o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, KAKAY.

Veja abaixo o que diz o advogado ao Estadão:

“Não li a as alegações finais, mas evidentemente o esperado é que fossem fazer o pedido de condenação. É mais ou menos esperado. A instrução foi feita de forma muito favorável, mas, mesmo favorável, infelizmente, a gente não vê o MPF pedir a absolvição. Temos tranquilidade. Vamos fazer as alegações finais e vamos levar a julgamento. Eu acho que o julgamento do caso do Romero Jucá onde eu sou advogado junto com o Gerdau foi um julgamento importante onde o STF não recebeu a denúncia indicando que existia ali uma tentativa de criminalização da política. Eu espero que essa seja uma tendência dos tribunais naqueles casos onde não houver indícios suficientes e sequer seja recebida a denúncia”.

Centranet
por do Portal Espigão com informações do Estadão
da do Portal Espigão com informações do Estadão
Veja mais
Comentários
Carregando...