Prefeito fiscaliza postinho de saúde e, telefona para médico ausente. Veja o vídeo

Publicidade

“Tem 16 pacientes na sua agenda e o senhor não está aqui atendendo”, questionou Daniel Guerra (PRB), novo prefeito de Caxias do Sul no estado do Rio Grande do Sul. “Você poderia me dizer qual é o motivo da sua ausência aqui na UBS [Unidade Básica de Saúde]? É o seu dia de plantão.”

A ausência do funcionário público se deu devido a uma paralisação de três dias que foi convocada pelo Sindicato dos Médicos de Caxias do Sul. Na nova gestão municipal, o prefeito adotou o ponto eletrônico a partir de 1° de março, uma medida que visa comprovar o cumprimento de carga horária. A maioria dos médicos são contra a medida (cerca de 85%).

Continua depois da publicidade

Segundo o presidente do Sindicato existia um acordo desde de 1998, aonde o médico deveria entrar na Unidade às 08h, atenderia 18 pacientes e estaria liberado, não sendo necessário cumprir a carga horária.

Os médicos não querem cumprir a medida (ponto eletrônico), a prefeitura então ofereceu reduzir a carga horária mediante a redução de salário. Os médicos não concordam com a medida, o sindicato quer um aumento de R$ 2.000,00 para os médicos que batam o ponto.

Guerra venceu a eleição de outubro de 2016 com 62,79% dos votos válidos, Edson Néspolo (PDT) seu adversário, obteve 37,21%, candidato que contou com o apoio do governador gaúcho, José Ivo Sartori (PMDB), e também de 21 partidos.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.