Compartilhe
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
19
set
2020

A verdade é dura com o Prefeito Nilton Caetano, obra inacabada e aparentando irregularidades

 

Uma mina de água que surgiu como uma obra divina inesperada, do nada, uma rede de água que apareceu sem que ninguém pudesse esperar.

São alguns dos problemas que precisam ser resolvidos pela gestão Nilton Caetano e Waltinho Lara, desta vez não cabe culpar a oposição, se que é existe, tão pouco o seu antecessor Célio Renato da Silveira.

A obra inacabada mal sinalizada é fruto da atual administração, e somente dela, que juntamente com a empresa responsável pelos projetos não foram capazes de prever que estes dois problemas poderiam trazer complicações para a obra, ou simplesmente ignoraram e confiaram na força divina para que o problema foi resolvido.

Não resolveu, e ao que parece vai custar caro aos cofres públicos, uma fonte informou que a prefeitura encontra-se em negociação com a CAERD para que seja feita uma rede nova, contudo para tanto, o município irá abrir mão de receita que podem chegar próximo a R$ 1 milhão (um milhão de reais), a prefeitura não confirma a informação mas também não diz ser falsa.

Há poucos dias um cano estourou e foi necessário quebrar o que já estava feito, para que fosse possível restabelecer o devido fornecimento de água para o município, a verdade é dura.

 

Quanto a mina de água a mesma encontra-se ali, desde de sempre, mas parece ter faltado o mínimo de um bom projeto que é vir conhecer o local e suas peculiaridades. Que também vai custar mais do que o previsto.

Apesar dos belos textos no facebook sobre a obra, a verdade é mais dura e cruel com o prefeito, a obra não foi concluída e tem diversos problemas a serem resolvidos, e vai custar caro aos munícipes de Espigão do Oeste.

Os fatos são duros, mas são os fatos.

Art. 10. Constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres das entidades referidas no art. 1º desta Lei, e notadamente:

Lei Nº 8.429, de 2 de Junho de 1992.

Notícias Relacionadas