Publicidade

Publicidade

Acusado de matar caminhoneiro a pedrada é condenado a 17 anos de prisão em Vilhena, RO

Defesa de Willians Maciel Dias informou que vai recorrer da decisão. Caso aconteceu durante a greve dos caminhoneiros em maio de 2018.

0
Real Turismo

Willians Maciel Dias foi condenado pela Justiça de Vilhena (RO), no Cone Sul, a 17 anos de prisão em regime inicial fechado pelo homicídio do caminhoneiro José Batistela. O julgamento foi realizado nesta quinta-feira (5) no Fórum Leal Fagundes.

A sessão foi comandada pela juíza Liliane Pegoraro Bilharva e teve a participação de cinco homens e duas mulheres no corpo do júri.

O julgamento teve início por volta das 9h desta quinta. As quatro testemunhas que estavam previstas para serem apresentadas pela defesa foram dispensadas.

Em depoimento, Willians assumiu que jogou a pedra que matou José Batistela, quando passava de carro pelo local com a esposa e a filha, mas disse que não tinha intenção de matar o homem.

A promotoria apresentou o caso como homicídio doloso, alegando que o réu havia assumido o risco de matar quando arremessou a pedra contra o caminhão da vítima. No entanto, a defesa sustentou a tese de que o homicídio foi culposo, pois o réu não tinha a intenção de matar o caminhoneiro.

Após cerca de sete horas de julgamento, o júri decidiu pela condenação de Willians Maciel por homicídio doloso, com meio que impediu a defesa da vítima. A pena ficou fixada em 17 anos, mas Willians vai poder recorrer da sentença em liberdade.

O advogado de defesa, José Francisco Cândido, informou que vai decorrer da decisão. “O próximo passo é recurso. A defesa jamais vai se conformar com uma decisão totalmente fora do contexto. A defesa respeita a vontade da maioria dos jurados, mas é um direito do acusado de recorrer e nós vamos recorrer com certeza”, disse o advogado.

Homicídio na greve dos caminhoneiros

O caminhoneiro José Batistela, de 70 anos, foi morto no dia 30 de maio de 2018, próximo a um ponto de manifestação na BR-364. O caminhoneiro carregava madeira e, quando decidiu seguir viagem, foi atingido na cabeça por uma pedra.

Segundo a Polícia Civil, a pedra foi arremessada de baixo para cima por Willians. Ele se entregou no dia 7 de junho e confessou o ataque, mas disse não ter intenção de matar o caminhoneiro. Conforme as investigações, Willians também é caminhoneiro e estava insatisfeito com o fim da greve da categoria.

No ano passado, a defesa de Willians pediu a desclassificação do crime de homicídio doloso para homicídio culposo – quando não há a intenção de matar – e ainda requereu a exclusão da qualificadora.

da G1

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais