Publicidade

Publicidade

Acusado de matar músico do Boi Flor do Campo é condenado a 30 anos

Real Turismo

O Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia (TJ-RO) julgou e condenou a 30 anos de reclusão, em regime fechado, o jovem Américo Carneiro de Souza Neto, de 22 anos, acusado de matar o funcionário público e músico do Boi-bumbá, Márcio Paz Menacho, no último dia 5 de outubro em Guajará-Mirim (RO), a 330 quilômetros de Porto Velho.

O julgamento foi realizado na capital neste semana, como medida de segurança, devido à comoção que o crime causou no município. O TJ-RO divulgou o resultado da sentença na segunda-feira (12); a defesa do réu ainda pode recorrer da decisão.

O G1 tentou contato por telefone com a Defensoria Pública, que fez a defesa do acusado, para saber se haverá ou não a possibilidade de recorrer da sentença. A assessoria do órgão informou que a Justiça ainda não fez o encaminhamento da sentença.

Em entrevista ao G1 nesta quarta-feira (14), o promotor de Justiça do Ministério Público do Estado de Rondônia (MP-RO), Eider José Mendonça das Neves, declarou que no último dia 18 de novembro houve a instrução do processo, onde foram ouvidas as testemunhas e a viúva de Márcio, Janaina Menacho.

Segundo ele, por motivo de segurança, o réu foi interrogado no final do mês passado na Comarca de Porto Velho, e o MP-RO pediu a condenação em pena compatível com o resultado do crime.

“O Ministério Público propôs ação penal em face do réu, imputando-lhe a prática de latrocínio, que consiste na subtração patrimonial, em que da violência empregada resulta na morte da vítima. O Juiz atento as provas produzidas no processo, julgou procedente a demanda e condenou o réu a uma pena de 30 anos, que é a máxima prevista”, explicou o promotor.

Eider falou ainda que em tese, a sentença ainda cabe recurso, pois a decisão não transitou em julgado, o que significa que Américo ainda tem o prazo para fazer uma apelação sobre a condenação.

“Se o acusado não recorrer, ou se o recurso for julgado improvido, a pena de reclusão deve ser executada. Infelizmente os crimes patrimoniais fomentados pelo tráfico de drogas têm aumentado, incentivados pela ganância e do lucro fácil. Nós acreditamos que essa decisão da Justiça passa uma mensagem para Guajará-Mirim e o resto do estado  de que os crimes dessa natureza não serão tolerados”, finaliza.

Crime
O professor e musicista do Boi-bumbá Flor do Campo, Márcio Paz Menacho, de 45 anos, foi morto com um tiro no rosto, no último dia 5 de outubro, após reagir a um assalto na própria residência, localizada no Bairro Serraria. Segundo a Polícia Militar (PM), o crime aconteceu por volta das 18h, na Avenida Antônio Correia da Costa.

O assaltante invadiu a casa para roubar uma motocicleta e deu um tiro no rosto de Márcio, à queima roupa; o músico morreu na hora. A execução foi testemunhada pela esposa e pelo filho do casal, que estavam na sala no momento do crime. Após atirar na vítima, o suspeito pegou a chave e fugiu com a moto.

Por volta das 19h30, cerca de 300 populares se aglomeraram em frente à Delegacia Regional de Polícia Civil para protestar contra a morte de Márcio e pedir justiça. A multidão ficou no local por cerca de uma hora e meia aguardando notícias sobre o caso.

As Polícias Civil e Militar fizeram um cordão de isolamento por precaução, para evitar uma possível invasão no prédio. O clima entre manifestantes e policiais ficou tenso, mas não houve nenhum confronto.

Prisão
As Polícias Civil e Militar (PM) convocaram uma coletiva de imprensa no último dia 6 de outubro, um dia após a morte de Márcio Paz Menacho, para comunicar sobre a prisão de Américo Carneiro de Souza Neto, que confessou ter atirado no músico e roubado a motocicleta da família durante um assalto no início da noite anterior. Com ele, os policiais encontraram a arma usada no latrocínio e também conseguiram recuperar o veículo roubado.

De acordo com as informações declaradas na coletiva de imprensa, o suspeito foi preso em flagrante e encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Nova Mamoré (RO), a cerca de 40 quilômetros do município, para evitar um possível linchamento e proteger a integridade física do preso.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais