Compartilhe
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
08
ago
2020

Audiência judicial debate sobre descontos na mensalidade escolar em Rondônia

Uma audiência preliminar da 2ª Vara de Fazenda Pública, nesta quarta-feira (22), debateu sobre os descontos na mensalidade de escolas da rede particular de Rondônia. A audiência foi transmitida ao vivo na plataforma online do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO).

O debate envolveu representantes das instituições educacionais privadas, Ministério Público de Rondônia (MP-RO) e Procuradoria Geral do Estado de Rondônia (PGE-RO).

Na ocasião, o juiz Edenir Sebastião Albuquerque manifestou que aguardará a contestação do estado de Rondônia sobre o assunto.

Já o Sindicato das Estabelecimentos Particulares de Rondônia (Sinepe) questionou a lei estadual 4.793, aprovada durante a pandemia, que prevê descontos escalonados nas mensalidades de escolas e faculdades privadas em Rondônia. A lei foi aprovada pelos deputados estaduais e estipula descontos de até 30% e penalidades às instituições que a descumprirem.

Durante a audiência preliminar, os representantes da Sinepe destacaram os impactados que as instituições também vem estão sendo prejudicadas com o novo coronavírus.

Caso a instituição de ensino não ofereça os descontos, a lei estipulava uma multa de 100 Unidades Padrão Fiscal (UPF) por dia, porém essa punição foi suspensa por decisão liminar no dia 14 de julho.

Além dessa ação, a Defensoria Pública de Rondônia (DP-RO) e o MP-RO propuseram duas ações civis públicas buscando que as instituições ajustassem valores de mensalidades (com concessão de descontos), em razão da questão econômica dos estudantes (veja abaixo).

  • De zero a 500 alunos: 10% de desconto
  • De 500 a 1mil alunos: 20% de desconto
  • Acima de 1mil alunos: 30% de desconto

“A pandemia também tem fechado muitas instituições de ensino. Hoje buscamos atender os responsáveis financeiros e também os alunos que sofrem os, também, efeitos da pandemia. Mas a instituição privada também teve o aumento no número de inadimplentes”, diz o sindicato.

Na audiência a promotora de justiça Daniela Nicolai destacou a necessidade do “princípio da solidariedade”, por conta da desigualdade de equilíbrio contratual durante a pandemia e também destacou a necessidade da brevidade na conclusão do assunto para evitar prejuízos.

Após as manifestações, o juiz Edenir Sebastião acordou que, enquanto tramitasse a ação de constitucionalidade e com as multas suspensas, a sugestão que fosse construído um caminho alternativo com outros juízos.

“O mais preocupante é tratar das pessoas que foram realmente afetadas pela pandemia. O juízo vai procurar decidir essa ação com maior brevidade possível, como já há uma informação reiterada de que o MP, a Defensoria e o Sinepe mantêm a conversação em outros processos”, afirmou.

No final da audiência, o juiz manifestou que vai aguardar a contestação do estado de Rondônia sobre o assunto e manteve a tutela antecipada, ou seja, multas suspensas às instituições.

Fonte: G1

Notícias Relacionadas