Publicidade

Publicidade

Biojoias fabricadas pelos pacientes de autocuidado em hanseníase surpreendem pelo potencial no mercado internacional

0
Real Turismo

Em Rondônia, o conceito de saúde vai muito além do diagnóstico e tratamento, se aplica também a dar dignidade aos pacientes com oportunidade de participar de negócios sustentáveis que tem despertado o interesse até de países estrangeiros e levou membros da ONG Holandesa NHR Brasil, que já é parceira do estado desde 1992 no combate a hanseníase, a conhecer esta semana, in loco, o que é feito pelos pacientes quanto à confecção de biojoias e bioalimentos.

‘‘Esse projeto tomou uma proporção muito grande e tem empoderando essas pessoas que sofrem com o estigma social. Dar a elas a condição de produzir, ter o próprio recurso, tudo isso utilizando produtos naturais, é muito importante. Certamente nós continuaremos apoiando essas atividades. É um prazer manter essa parceria com o estado de Rondônia’’, disse o diretor nacional da ONG Holandesa NHR Brasil, José Alexandre Menezes da Silva, que planeja replicar o modelo rondoniense em outras partes do mundo.

Com toda essa repercussão, membros da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa/RO), da ONG e da Superintendência Estadual de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi) se reuniram na manhã de quinta-feira (19) para alinhar ações que possam permitir a organização dos pacientes em uma cooperativa para comercialização das biojoias.

A oficina de biojoias com pacientes do grupo de autocuidado, realizada pela Agevisa em parceria com a ONG NHR Brasil, começou em março e em apenas seis meses ganhou proporções surpreendentes.

‘‘É um projeto que avaliamos positivamente, principalmente quando se fala de mercado externo porque sabemos que nos Estados Unidos e na Europa existe um interesse muito forte pelos produtos amazônicos. Enxergamos um potencial muito grande de mercado lá fora com essa produção de joias com sementes da região’’, considera o coordenador de Comércio Exterior da Sedi, Anderson Fernandes.

‘‘Esse trabalho faz parte de um projeto de inclusão social dos pacientes que tiveram problemas no mercado de trabalho devido à hanseníase. São dois projetos, uma na área da gastronomia e outro de biojoias, e neste último foi identificado um potencial muito grande. A partir daí eles foram participar de exposições, e isso tem chamado atenção de grupos dentro e fora do nosso estado. Até o mercado europeu tem interessados em comprar’’, explica gerente técnica de Vigilância Epidemiológica da Agevisa, Arlete Baldez.

Não só os servidores da Agevisa estão envolvidos em fazer o projeto dar certo, mas a iniciativa tem provocado uma nova e positiva realidade para os pacientes. ‘‘Os pacientes estão muito entusiasmados porque em pouco tempo estão vendo o retorno disso e estão felizes em estar contribuindo na renda da família e produzindo verdadeiras obras de artes’’, revela Arlete.

COOPERATIVA

A gerente técnica de Vigilância Epidemiológica explica o planejamento para fazer o BioHans se projetar de forma mais efetiva no mercado. ‘‘A nossa proposta é organiza-los em cooperativa, fortalecendo esse trabalho, inclusive já tem grupos interessados em exportar essas biojoias, levar para o mercado europeu e isso abre um leque enorme de possibilidades para esses pacientes, para as instituições do estado de Rondônia e para o artesanato de um modo geral’’, assegura.

A partir das discussões de hoje, Arlete espera que as parcerias estejam alinhadas para que se consiga na pratica dar passos que concretize a criação da cooperativa, assim também fortalecer os grupos de autocuidados que trabalham na produção das biojoias em vários municípios para que possam produzir em grande escala. O coordenador de Comércio Exterior reforçou a necessidade dos produtores se organizarem com a formação de uma cooperativa para atender o mercado interno e externo.

A projeção das biojoias produzidas pelos pacientes de hanseníase estão inseridas em um projeto maior do Governo de Rondônia intitulado: Rondônia Day. ‘‘A proposta desse programa é mostrar Rondônia para o mundo e trazer o mundo para Rondônia. Nós tivemos um evento grande na Fiesp, em São Paulo, no mês passado, inclusive o governador Marcos Rocha participou e levamos os artesão da BioHans. Houve uma procura muito grande e assim a gente vai abrindo mercados’’, afirma o coordenador.

Encomendas de produtos dos artesãos rondonienses podem ser feitas pelo Instagram: Art’s BioHans.

por Secom
da Secom

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais