Publicidade

Publicidade

Blog do Frank – Gol do Brasil!

0
Real Turismo

Que o futebol brasileiro vive fase caótica não é novidade pra ninguém, vide as dificuldades dos clubes em pagar salários dos jogadores em dia, além de qualquer bagatela oferecida do exterior por nossos craques são facilmente aceitas.

Além da evidente má administração dos longevos cartolas nacionais, credita – se a crise aos bilhões que os clubes devem de impostos para a união, a bancada da bola no congresso nacional havia feito um projeto de lei que amenizava as dividas sem nenhuma contrapartida, a presidenta corretamente vetou.

Vetou porque ouviu o movimento Bom Senso que é formado por atletas e ex atletas profissionais, estes defendem que o “perdão” da divida não agregaria nada a um bom gerenciamento do futebol, seria apenas um presente para quem não faz por merecer.

Dessa forma, o governo federal confeccionou uma MP (Medida Provisória) que impõe uma série de compensações vindas dos clubes, tais como: manterem em dia obrigações tributárias, previdenciárias, trabalhistas e a responsabilização judicial de dirigentes improbos.

Contudo, o que mais incomoda a bancada da bola que representa a CBF e as Federações Estaduais, é a limitação na duração dos mandatos dos dirigentes e, a prestação de contas transparente que a medida provisória exige da liga que promova os campeonatos, atualmente coordenada pela Confederação Brasileira de futebol.

Alternância no poder e transparência na administração nunca foi o forte da nossa confederação, pois, é de conhecimento geral que o ex presidente Ricardo Teixeira ficou 24 anos no comando da entidade e, a parte financeira desta é considerada uma caixa preta.

Portanto, a oportunidade para os clubes se livrarem da fétida organização é única, pois, a criação de uma liga independente se mostrou eficaz em diversos países. Como por exemplo, as badaladas Premier League (Campeonato Inglês) e Bundesliga (Campeonato Alemão).

Para que fique mais claro, nos dois citados campeonatos, quem promove os campeonatos são ligas formadas e coordenadas pelos próprios clubes, não existindo assim confederações mediadoras.

Assim sendo, com o afago financeiro e uma nova administração, poderíamos começar a reagir ao vexatório 7 a 1, modernizando nossos campeonatos e melhorando o espetáculo e, consequentemente, trazer os espectadores de volta aos estádios.

Entretanto, a medida provisória terá que passar pelo congresso, a missão não será fácil, vez que os corruptos cartolas têm os seus tentáculos sobre diversos parlamentares, assim como bem disse Abilio Diniz “além de festejar este primeiro gol, é preciso fortalecer a defesa”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais