Publicidade

Real Turismo

Casal monta barraca sem vendedor e comercializa produtos à base da confiança em Cacoal, RO

Entre os produtos vendidos por José Joaquim de Souza e Maria de Lourdes dos Santos estão pão caseiro, cacau e amendoim. Pagamento é feito na caixinha de Correios.

0
Real Turismo

Pão caseiro, cacau, couve-manteiga e amendoim. Esses são alguns dos produtos que podem ser comprados na barraca de autoatendimento do agricultor José Joaquim de Souza. Há um mês, ele e a esposa, Maria de Lourdes dos Santos, resolveram montar uma barraca na frente da casa onde moram no bairro Floresta em Cacoal (RO), município a 480 quilômetros da capital Porto Velho.

Mas nesse comércio não há atendentes. As pessoas interessadas escolhem os produtos e fazem o pagamento na “caixinha” dos Correios. Além de lucrar com a inovação, eles confirmaram a honestidade da população.

Um dos clientes assíduos da barraca é o conferente Adelmo Galter. Ele diz que acha interessante o formato do comércio, já que o sucesso depende exclusivamente da boa qualidade dos produtos e da honestidade das pessoas.

“É bom que não ocupa uma atendente. As pessoas podem demostrar que são honestas, se servem a vontade, compram o que querem e gostam, pagam os produtos e vão embora tranquilos”, define o homem.

José conta que a ideia surgiu pelo fato de cultivarem muitos produtos na chácara da família e terem a necessidade de dar uma destinação. Além disso, é uma forma de confiar na honestidade das pessoas.

“A minha barraca quem cuida é Deus, eu confio na honestidade das pessoas. Trabalho a semana toda na cidade e deixo os produtos expostos. As pessoas podem passar a qualquer hora, que encontram produtos. Todos os dias eu reponho, principalmente a couve, que tem mais saída. Estou feliz com minha banquinha”, comemora o empreendedor.

Maria é dona de casa, mas não deixa os afazeres domésticos ou particulares para cuidar da barraca. O único trabalho, às vezes, é dar troco aos clientes que batem palmas no portão da casa. Apesar de ser um empreendimento familiar, os envolvidos têm o controle de tudo que é colocado a venda e, desde a inauguração, nunca tiverem prejuízos.

“Eu anoto em um caderno todos os produtos que meu marido traz da chácara e coloca a venda na barraca. No final do dia, pego o dinheiro na caixa dos correios e faço a conferência. Nunca tivemos prejuízo. Teve um dia que faltou R$ 0,25. No dia seguinte o valor estava na caixinha. A pessoa pagou o valor que havia ficado devendo”, conta.

Além de conseguirem lucro com a venda dos produtos, a família conseguiu confirmar a honestidade das pessoas.

“Têm pessoas boas. Outros deveriam fazer a mesma coisa que nós, pois dando votos de confiança ao ser humano, por mais que já tenha feito algo errado, a pessoa pode pensar em fazer diferente simplesmente por perceber que o outro está confiando nele”, acredita.

A barraca funciona 24h. No período noturno, a família guarda os pães caseiros, mas os demais produtos continuam expostos e disponíveis à compra.

por G1/RO
da G1/RO

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais