Compartilhe
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
22
jul
2020

Com medo de cheia, empresário de Rondônia aumenta estoque de cerveja

Comerciante também alugou novo prédio para armazenar mercadoria.
Em 2014, Guajará-Mirim chegou a ficar um período isolado devido a cheia.

empresario

Os comerciantes de Guajará-Mirim (RO), a cerca de 330 km de Porto Velho, começaram a se preparar para enfrentar um possível isolamento do município. Com medo de nova enchente, como a ocorrida em 2014, quando o Rio Mamoré atingiu as rodovias BR-425 e BR-364 e isolou a cidade por cerca de 60 dias, o empresário Mauro Melocra começou a estocar cerveja em sua distribuidora de bebidas e em um galpão alugado. A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) prevê que a cheia este ano deve ocorrer em menor proporção do que em 2014.

Para fugir de um possível alagamento, o empresário também alugou um galpão para armazenar a mercadoria, caso a água chegue perto. “Este ano já aumentei em 20% o estoque. Não posso aumentar muito por ser um produto perecível, mas quero evitar as dificuldades enfrentadas no ano passado”, comenta Mauro.

estoque

Ele alega que a cerveja, apesar de não ser um item de primeira necessidade, tem grande clientela e é o produto mais vendido na distribuidora. Em 2014, mesmo no período de cheia, as vendas da bebida não diminuíram, apesar da dificuldade da mercadoria para chegar até Guajará. “A enchente foi muito intensa no ano passado. Precisei trazer a mercadoria de balsa pelo Rio Mamoré a partir de Costa Marques”, afirma Melocra.

Conforme Mauro, foi necessário aumentar o valor de venda da bebida para arcar com os valores adicionais. “Usamos muito o rio para trazer mercadoria e isso acabava aume

Com a cheia do Rio Madeira, a única rodovia de acesso ficou inundada. Pontes históricas ficaram submersas e houve escassez e racionamento de produtos. Algumas mercadorias, como água mineral, gás de cozinha e combustíveis, tiveram aumento de preços de até 150% devido à dificuldade de chegar até o município.

Depois da abertura da Estrada Parque, que liga a zona rural de Nova Mamoré a Buritis, facilitou a chegada dos produtos, mas as condições da estrada também causavam atrasos. A outra alternativa que alguns empresários escolheram foi a via fluvial.

cheia_2

Enchente
Segundo a CPRM, nesta terça-feira (24), com 10,26 metros, o nível do Rio Mamoré está próximo da média histórica para o dia, 9,79 metros. No ano passado, na mesma data, a média era de 10,83 metros. A Defesa Civil e a Polícia Rodoviária Federal estão monitorando os trechos diariamente os trechos das rodovias que podem sofrer alagação.

Apesar das previsões da CPRM apontarem uma enchente em menor proporção este ano, as constantes chuvas na região e a oscilação do Rio Mamoré deixam a população de Guajará-Mirim aflita com a possibilidade de nova cheia. A Defesa Civil já prepara os moradores das áreas atingidas. Cerca de 850 famílias foram cadastradas para procurarem nova moradia. Se houver necessidade, o Corpo de Bombeiros já disponibiliza barracas para desabrigados.

ntando o custo. Precisei impor um pequeno acréscimo para arcar com o transporte. Os consumidores entenderam e as vendas permaneceram normais”, diz o empresário.

Autor:G1 RO

Notícias Relacionadas