Compartilhe
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
04
abr
2020

Com texto sobre massacre indígena, aluna de escola pública de RO ganha Olimpíada de Língua Portuguesa

As memórias de um atentado que aconteceu na década de 60 contra o povo indígena Cinta-Larga se tornou uma história premiada nacionalmente nesse mês de dezembro na Olimpíada de Língua Portuguesa, promovida pelo Ministério da Educação (MEC) e parceiros.

Karoline Vitória de Souza tem 13 anos e é estudante da Escola Estadual Jerris Adriani Turatti, do município de Espigão do Oeste (RO).

Concorrendo contra mais de 11 mil estudantes em todo o país na categoria “Memórias Literárias”, a aluna trouxe a medalha de ouro para Rondônia com a história “Paralelo 11: do cocar vermelho ao pé de jatobá”.

“O meu texto relata uma terrível ocorrência de 1960 e que envolveu o povo Cinta-Larga. Com essa redação conquistei a medalha de ouro e estou muito feliz, especialmente pela orientação do professor Alan”, disse a aluna.

O texto premiado foi baseado em uma entrevista realizada com o Cinta-Larga Anemã Irun, de 50 anos.

Karoline e o professor Alan Francisco Gonçalves de Souza, foram a São Paulo receber o prêmio no dia 9 de dezembro. O docente, que é referência no município por leitura e escrita, também recebeu uma medalha por esforço e dedicação nas olimpíadas.

Em entrevista ao G1, Alan disse que já é a terceira vez que ele traz alunos medalhas de ouro ao estado. A primeira foi em 2012. Na ocasião, o estudante Jhonatan Kempim escreveu o texto “O tempo, o chiado e as flechas”. Já em 2014, foi o ano da aluna Aline Glanzel ser a campeã com a obra “O Bailarino e a Cerejeira”.

“Cada vez foi uma sensação diferente, pois são textos do país inteiro e, quando a gente consegue ser o texto campeão, conseguimos perceber que nosso trabalho é de excelência”, contou o professor.

Além da medalha de ouro por Karoline, Rondônia também conquistou a medalha de prata na categoria de crônica pelo texto de outra aluna do professor: Letícia Prasser Cortês, de 14 anos.

Alan Gonçalves relatou que estava preparando os estudantes para o concurso desde abril, realizando oficinas e trabalhos de escrita e reescrita com alunos do 6°, 7°, 8° e 9° ano.

O concurso

A Olimpíada de Língua Portuguesa é um concurso de produção de textos para estudantes de escolas públicas de todo o país.

Notícias Relacionadas