Publicidade

Credito Fundiário prevê aumento do teto para compra de terras e construção de moradias rurais em Rondônia

Real Turismo

O aumento do teto do Programa Nacional de Crédito Fundiário (Pncf), que vai de R$ 80 mil para R$ 140 mil para a compra de terras, minimiza os conflitos agrários ao fixar o homem no campo com dignidade. A secretária adjunta de agricultura (Seagri), Mary Braganhol, foi a Brasília na última semana, a fim de incorporar os benefícios federais do Programa Nacional de Habitação Rural (Pnhr), beneficiando os produtores da agricultura familiar em Rondônia.

Acompanhando Braganhol, o coordenador da Unidade Técnica Estadual (UTE) da Seagri, Marcos Rodrigo, durante a visita à Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), disse que “este aumento é importante porque com o valor anterior (R$ 80 mil), os pequenos produtores rurais familiares conseguem comprar apenas 8 hectares; já com os R$ 140 mil propostos podem comprar até 12 hectares, que lhes permitem aumentar significativamente suas produções, aumentando a qualidade de vida de todos”.

Mary Braganhol, ao solicitar o aumento do teto para a compra de terras, disse do empenho do governador Confúcio Moura em “valorizar os pequenos produtores familiares rurais, base da economia de Rondônia, responsáveis por mais de 82% de tudo que aqui se produz”. Além disso, as terras compradas legalmente garantem a posse, evitando com isso que haja conflitos agrários e invasões de terras produtivas.

A incorporação dos benefícios federais do Pnhr garantem a fixação dos produtores no campo, evitando o êxodo rural e consequente aumento desordenado dos núcleos urbanos. “Temos hoje mais de 200 famílias assentadas, mas sem moradias construídas”, informa Braganhol.

O Programa Nacional de Habitação Rural prevê recursos não só para a construção de moradias, mas também para toda a infra-estrutura e tecnologias necessárias que visem o desenvolvimento dos sistemas produtivos e a consolidação das famílias no campo.

Raquel Porto Santori, gestora da Subsecretaria de Reordenamento Agrário (SRA), vinculada à Sead, reconheceu a importância do aumento do teto para a compra de terras e também da vinculação do Pnhr a todos os contratos (efetivados e futuros). “Reconhecemos que o valor atual não supre a necessidade da maioria dos produtores rurais familiares em Rondônia. A gestão da Seagri vem em boa hora e, cremos que em 2017, possamos atender às duas demandas aqui apresentadas”.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais