Publicidade

DETALHE/CACOAL: Delegado afirma que quadrilha queria matar Marcio Welder

0
Real Turismo
19647[1]
Maria Ivani tramava a morte de Welder, segundo delegado (Marcelo Nery)

Em uma revelação bombástica, durante a entrevista coletiva com os representantes da polícia no caso da Operação Detalhe, a participação do policial civil Palácio foi a mais intrigante. De acordo com o Delegado Arismar Araújo, Palácio era a força de coação da organização criminosa que se instalou no executivo e legislativo municipal. “O policial era o braço armado da organização. Ele era responsável pela intimidação e existe um outro policial envolvido. Através das gravações e demais materiais recolhidos, vimos que houve o comunicado duas vezes da possibilidade de se fazer uma operação em Cacoal como foi em Buritis, a Operação Perfídia, e isso partiu dele. No dia que antecedeu a operação Detalhe ele fez campana e seguiu os passos da polícia, mas nós estávamos de olho nele”, disse Arismar.

O policial civil Palácio foi preso e em sua posse foram encontradas armas e munições que não condizem com suas funções na polícia. Mas o que mais chamou a atenção foi a revelação do delegado. “Depois de analisarmos os áudios e documentos não tem como entender de outra forma. Eles [a organização chefiada pela Maria Ivani] tinham um ‘plano B’. Iriam ceifar a vida do ex-secretário”, afirmou o delegado responsável.

De acordo com Arismar, Palácio teria feito campana na casa de Márcio Welder que reside em Porto Velho. A polícia e o Ministério Público continuará com a segunda fase das investigações e os acusados continuam presos até segunda ordem da justiça. “Outras pessoas podem ser presas, seja pelo apontamento das investigações ou por tentar atrapalhar o rumo da Operação Detalhe”, afirmou o delegado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais