Publicidade

Publicidade

Em Porto Velho, Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro passa a integrar a Rede+Voz de cooperação e controle do câncer de cabeça e pescoço

0
Real Turismo

O Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro recebeu a visita de representantes da Associação Câncer, Boca e Garganta (ACBG), que atua em prol dos pacientes de tumores nessas regiões,  que teve o objetivo de  conhecer os profissionais e pacientes de todas as instituições especializadas no serviço de cirurgia cabeça e pescoço para elaboração de uma rede de controle social, que retrate todas as regiões do país.

As visitas são parte do projeto Rede+Voz, que tem o intuito de promover a inclusão e informação sobre o tratamento oncológico. Eles foram recebidos pelos secretário de saúde, Fernando Máximo, a adjunta, Katiane Maia, e a equipe do Unacon (Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia ), do HB.

“É uma mobilização nacional e nós abrimos as portas do nosso serviço para integrar essa rede e compartilhar experiências,” disse o secretário ao dar boas vindas à ACBG.

As cirurgias de cabeça e pescoço na unidade foram implantas em 2011 e, atualmente, é composta pelos médicos especialistas, Gabrielle Gadelha, Fernando Ferraz e Cristiano Ferreira.

Para a médica Gabrielle Gadelha, a visita possibilita a inclusão desses pacientes que muitas vezes chegam em estágio avançado da doença e precisam de todo o apoio.

” Os pacientes de cabeça e pescoço passam por  cirurgias de grande porte, muitas vezes mutiladoras, que necessitam de um olhar diferenciado, além de tratamento cirúrgico, precisam de complementação com radio e quimioterapia, no HB há cirurgiões capacitados para este tipo de cirurgia, e a complementação é garantido na rede conveniada.”

De acordo com a médica, em média, cada um dos três cirurgiões atende semanalmente cerca de 8 novos pacientes com diagnóstico de câncer nas regiões de cabeça e pescoço. Um índice considerado altíssimo .

Os casos mais comuns são de câncer de tireoide, de pele, boca, de garganta, seios da face, e o índice de mortalidade é alto.

Muitas vezes chegam com estagio avançado da doença, os casos relacionados ao cigarro são mais frequentes em homens na faixa etária de 50 a 70 anos. E de tireoide em mulheres de 40 a 60 anos.

O HB oferece ao paciente oncológico um tratamento multidisciplinar, ainda mais fundamental nos casos de câncer de cabeça e pescoço. Apesar de os médicos terem um papel central e decisivo ao longo de todo o tratamento, outros profissionais são essenciais para garantir a qualidade da assistência. Equipes de enfermagem, farmácia, nutrição, fisioterapia, odontologia, entre outros, unem esforços para dar a cada paciente o melhor tratamento possível.

“Estamos visitando todos os hospitais e centros de referências das capitais e, com isso, estamos aproximando as instituições. O que vi aqui, no HB, é que há uma preocupação de toda a equipe com a reabilitação desse paciente. “Elogiou Eduardo Knole, gestor de projetos da ACBG.

por Secom
da Secom

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais