Publicidade

Equipe Médica do Centro Obstétrico do Hospital de Base realiza parto raro em Porto Velho

0
Real Turismo

A professora Mônica Gisele de Freitas, moradora de Cacoal, recebeu, durante o pré-natal, o diagnóstico de que tinha placenta acreta (ou acretismo placentário), na qual a formação da placenta, órgão compartilhado entre a mãe e o bebê durante a gestação, ultrapassa os limites esperados dentro do útero e passa a invadir outros órgãos. Um caso raro, porém de alto risco e que pode levar à morte materna.

Ao completar 34 semanas de gestação, ela teve um mal-estar e foi transferida para a Maternidade do  Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro (HBAP), em Porto Velho, referência em gravidez de alto risco, via sistema de regulação. A coordenadora do centro obstétrico e maternidade do HBAP, médica ginecologista e obstetra Denise Nocrato, explica que uma equipe médica de diversas especialidades foi acionada para a realização da cirurgia de grande porte.

” O acrestismo placentário é um quadro grave na gestação porque é responsável por até 7%  de mortalidade materna no pós parto por causar uma  hemorragia maciça. A paciente realizou novos exames que comprovaram o diagnóstico e, então, foi disponibilizada, pelo Hospital, a equipe multidisciplinar envolvendo obstetra, neonatologista e médico cirurgião vascular para a realização da cirurgia, que aconteceu no dia 6 de setembro. A cesárea teve que ser seguida da retirada do útero (histerectomia).”

Após quatro horas de cirurgia, mãe e recém-nascido apresentaram a melhor evolução possível e a professora pôde conhecer o seu filho depois de receber alta da UTI . “Um encontro emocionante”, relata a professora.  “To muito grata a Deus porque, sinceramente, eu achei que fosse morrer por causa dos riscos. Foi muito emocionante quando eu abri o olho na UTI e vi que eu estava viva. Pegar meu filho nos braços foi uma emoção indescritível”.

A mãe e o recém-nascido passam bem, já receberam alta e retornaram pra Cacoal.

PLACENTA ACRETA

A médica ginecologista e obstetra Denise Nocrato explica que é uma doença grave e que, infelizmente, tem aumentado devido ao crescimento do número de partos cesáreos. “A maior prevenção é evitar a cesárea sem indicação. Uma cesárea mal indicada pode evoluir no futuro, em uma próxima gravidez, para um acretismo placentário. Isso é um grande risco. Quanto mais cesáreas, mais a mulher está exposta a desenvolver essa condição”.

A gestante deve fazer todos os exames de pré-natal regularmente na rede básica de saúde. A condição pode ser detectada através de exames de ultrassonografia. E se houver indicação de gravidez de alto risco, a paciente é referenciada ao Centro Obstétrico do HPAP, especializado em gestação de alto risco e que conta com o suporte multidisciplinar para o tratamento das mais diversas patologias relacionadas a gestação.

por Secom
da Secom

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais