Publicidade

Publicidade

Escola Estadual Paul Harris é interditada após princípio de incêndio em Guajará-Mirim, RO

Caso ocorreu no refeitório da escola após um curto-circuito. Segundo o Corpo de Bombeiros, instituição de ensino não possui projeto contra incêndio e pânico.

0
Real Turismo

A Escola Estadual Paul Harris foi interditada após um princípio de incêndio, que aconteceu na primeira quinzena de março, no refeitório do colégio. A instituição de ensino fica localizada no bairro Tamandaré em Guajará-Mirim (RO), cidade a pouco mais de 330 quilômetros de Porto Velho. A interdição ocorreu na última segunda-feira (22).

No dia 11 de março, houve um princípio de incêndio no refeitório da escola após um curto-circuito. A direção, então, procurou pelo Corpo de Bombeiros para tomar as medidas necessárias. Uma equipe da corporação se deslocou ao prédio para realizar uma vistoria e foi constatado que a escola está com os laudos atrasados e também não tem projeto contra incêndio e pânico.

O Corpo de Bombeiros deu um prazo de 30 dias para que a escola pudesse realizar as adequações. Porém, como nada foi feito, o prédio teve que ser interditado como uma medida de segurança. Segundo os bombeiros, a escola seguirá interditada por tempo indeterminado.

Para que ocorra a liberação do prédio, a Coordenadoria Regional de Educação deverá apresentar os laudos e o projeto contra incêndio e pânico. Após a aprovação dos documentos, o projeto deverá ser executado com a instalação dos equipamentos de segurança e adequações nas instalações.

Apresentação dos laudos

Segundo Eunice de Oliveira, coordenadora do CRE, um engenheiro da Seduc está a caminho do município com o laudo da escola. Em seguida, uma nova viatória será feita e o prédio deverá ser liberado na próxima quinta-feira (25).

A Escola Paul Harris atualmente tem cerca de 700 alunos do projeto de Educação de Jovens e Adultos (Ceeja).

Ainda de acordo com Eunice, o projeto contra incêndio e pânico foi aprovado e ainda será apresentado ao Corpo de Bombeiros.

Interdições

No início de novembro de 2018, a Escola Municipal José Carlos Neri foi interditada por não possuir o projeto e equipamentos de proteção contra pânico e incêndio. A escola foi liberada no dia 16 de novembro daquele ano e tinha 180 dias para fazer as adequações. Faltam 22 dias para terminar o prazo e, até o momento, a escola não executou o projeto.

Também em novembro de 2018, a Escola Durvalina foi interditada por causa de rachaduras nas paredes e falta de equipamentos contra incêndio e pânico. Na época, os cerca de 700 estudantes ficaram sem aulas durante 20 dias.

O Corpo de Bombeiros em Guajará-Mirim é responsável por fiscalizar as instituições na região, incluindo Nova Mamoré (RO). Ao todo, a cidade conta com 121 escolas. Apenas três estão com o projeto de incêndio e pânico aprovado.

As três escolas ficam localizadas em Guajará-Mirim, sendo a escola Irmã Maria Celeste e José Carlos Neri na zona urbana, e a escola Tia Chiquinha na zona rural.

por G1/RO
da G1/RO

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais