Publicidade

Publicidade

Publicidade

Extensão do JPII, Assistência Médica Intensiva já atendeu até outubro deste ano a quase 500 pacientes

0
Real Turismo

Desde 2013 atendendo aos pacientes que precisam de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) na capital, a Assistência Médica Intensiva (AMI), localizada na zona Sul da cidade, é uma extensão do Hospital e Pronto Socorro João Paulo II (JPII), que concentra maior parte dos atendimentos do estado.

Desde o início de 2019 até o final do último mês, a unidade atendeu à média de 468 pessoas, levando em consideração a base de 19 admissões em setembro, e outras 29 em outubro, com a rotatividade de 10 pacientes mensalmente. São 204 servidores voltados ao serviço, que contribui na busca por desafogar a UTI do JPII, com a disponibilização de 29 leitos.

Segundo o coordenador da equipe médica, doutor José Armir, mais três médicos foram encaminhados para a AMI nos últimos dias. A equipe conta com 21 médicos intensivistas e um cardiologista. “Nossa escala está completa, não temos do que reclamar”, diz o profissional.

A AMI atende aos pacientes transferidos do JPII, sendo estes 95%, mas também recebe pessoas encaminhadas do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro (HB) e do interior do estado. “Temos 82 técnicos de enfermagem, um número expressivo e suficiente, e 18 enfermeiros. São seis fisioterapeutas, que se concentram no bloco 4, onde ficam os casos mais graves, e quando há necessidade do atendimento desses profissionais em outro bloco, nós remanejamos. São dois nutricionistas e um fonoaudiólogo. Temos ainda três psicólogos e outros três assistentes sociais, que são essenciais para o atendimento não só aos pacientes, mas também aos familiares”, conta a coordenadora geral da AMI, Damile Cristina Neves da Silva.

A coordenadora garante que a equipe trabalha com atendimento humanizado e dedicada ao bom serviço.

 

“Recebemos pessoas, a maioria idosa, que já estão em estado grave, em uma situação muito frágil, e as famílias sofrem junto. É preciso ter sensibilidade para estar aqui, e todos aqui são muito dedicados”, revela Damile Cristina.

No local, são realizados exames laboratoriais e raio-x, e quando há necessidade de outros pedidos o paciente é levado até o lugar que oferece o serviço. O almoxarifado e farmácia da unidade são bem abastecidos, segundo a coordenadora, e não faltam medicamentos para os pacientes.

As visitas acontecem das 14h às 16h30, todos os dias, dividindo-se o horário entre os quatro blocos. Os visitantes devem ir munidos de documento pessoal com foto e sem nenhum acessório como brinco, anel ou relógio, para evitar a contaminação.

Segundo o doutor José Armir, o máximo de tempo em que pacientes mais graves já ficaram na unidade foi de quatro a cinco meses. O fluxo costuma variar entre 20 dias e quando o paciente recebe alta para a enfermaria, ele é conduzido para o JPII novamente, onde deve continuar o tratamento até ter alta para casa.

Fonte: Governo de Rondônia

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais