Publicidade

Facção pode ter participado de motim em presídio de RO, diz direção

Real Turismo

A direção da Casa de Detenção de Ouro Preto do Oeste (RO), na região central do estado, e o serviço de inteligência do presídio não descartam a participação de facções criminais no princípio de rebelião ocorrido na unidade prisional, na última quarta-feira (18). Segundo o diretor de segurança, Cristiano Félix, integrantes de uma facção famosa podem estar envolvidos na confusão. Após o ocorrido, 13 detentos foram transferidos para presídios estaduais..

O motim na Casa de Detenção teve início após o banho de sol dos apenados, nesta quarta-feira, após os presos recusarem voltar às celas. Na ala feminina da unidade prisional, um grupo de detentas ateando fogo a sacos plásticos.

Conforme a direção, o presídio tem capacidade para receber 90 detentos e conta atualmente com cerca de 210 presos.

O princípio de rebelião só foi contido após disparos realizados pelos agentes penitenciários. O Grupo de Operações Especiais da Polícia Militar (GOE) realizou uma revista no local e apreendeu “chuchos” – arma branca feita artesanalmente- e baterias de celular.

Após realizar a transferência de 13 detentos, sendo oito homens e cinco mulheres, a direção do presídio estuda a causas que motivaram a realização do motim. O serviço de inteligência não descarta a influência de facções criminais rivais no princípio de rebelião ocorrido em Ouro Preto do Oeste.

“Estamos trabalhando para descobrir o real motivo desse motim e não descartamos a participação de facções criminais. Supostamente presos do PCC estão querendo usar esse momento de tensão que está acontecendo no sistema penitenciário, para tentar mandar no presídio local, como foi dito à nós por um apenado que liderou o princípio de motim”, conta o diretor de segurança.

Armas apreendidas
Conforme a direção, os detentos da Casa de Detenção realizaram o motim após o banho de sol, na quarta-feira, quando os presos se recusaram voltar às celas. O princípio de rebelião só foi contido após disparos realizados pelos agentes penitenciários.

Durante a confusão, um grupo de detentas realizaram protestos na ala feminina da unidade prisional, ateando fogo em sacos plásticos.

Após a confusão na unidade prisional, o Grupo de Operações Especiais (GOE) realizou uma revista na unidade e apreendeu diversar armas com os presos.

Depois que os presos entraram nas celas, o GOE realizou uma revista no local e apreendeu vários produtos. “Encontraram várias armas artesanais, os chamados xoxos. Muitas baterias de celular”, disse o diretor Cristiano Félix.

Entre os presos transferidos estão oito homens e cinco mulheres, que agora foram levados para presídios estaduais de Rondônia.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais