Publicidade

Publicidade

Publicidade

Idaron intensifica fiscalização para impedir avanço do cancro cítrico em Rondônia

0
Real Turismo

A Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron) reforçou a fiscalização na divisa do estado para impedir a entrada, na região, de frutos contaminados pelo cancro cítrico. Para combater à doença, a agência também tem realizado inspeções em propriedades e fiscalizações em viveiros de mudas cítricas.

Não existe método curativo para o cancro cítrico, a única forma de eliminá-lo é pela erradicação de plantas contaminadas. A doença causa desfolha das plantas, queda prematura de frutos, depreciação da qualidade da produção, devido às lesões que causa nos frutos, e resulta na proibição da comercialização dos frutos para áreas onde a praga não ocorre, o que acaba sendo maléfico para a economia do estado.

“Para prevenir a entrada e disseminação da praga em uma área onde não ocorre, é necessário inspecionar os pomares e fiscalizar o comércio de mudas e frutos provenientes de outros estados”, explica o presidente da Idaron, Júlio Cesar Rocha Peres.

“No entanto, somente com o apoio da cadeia produtiva será possível impedir o cancro cítrico de afetar o potencial de produção cítrica do estado de Rondônia”, salientou.

Segundo ele, a Agência Idaron realiza, todos os anos, levantamento de pragas na cultura dos citros, totalizando 4.457 inspeções de propriedades nos últimos 4 anos. Através deste trabalho, no ano de 2018, foi detectada a ocorrência de cancro cítrico nos municípios de São Francisco do Guaporé e Seringueiras, em pomares domésticos.

“Com o apoio da população, têm sido realizados esforços no sentido de conter a disseminação e erradicar a praga, para que não alcance as áreas comerciais dos principais municípios produtores”, destaca o presidente.

Recentemente, foram encontrados frutos, com suspeita de contaminação por cancro cítrico, em frutarias, supermercados e distribuidores. Após fiscalização em vários municípios, comprovou-se que os frutos eram provenientes de outros estados. A presença do cancro cítrico foi confirmada através de análise em laboratório credenciado no Mapa.

POTENCIAL ECONÔMICO

A citricultura representa um grande potencial econômico para Rondônia, onde é cultivada como fonte de diversificação de renda nas pequenas propriedades familiares, em conjunto com café e outras frutas.

A produção de laranja, lima tahiti e ponkan são direcionados ao mercado interno e outros estados como, Acre, Amazonas e Mato Grosso. Os municípios que têm se destacado na produção são Ministro Andreazza, Presidente Médici, Cacoal, Rolim de Moura e Espigão D’Oeste.

CANCRO CÍTRICO

O cancro cítrico é uma das principais ameaças à produção, é causado pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri e afeta todas as espécies e variedades de citros de importância comercial.

A praga é originária da Ásia e, no Brasil, foi constatada pela primeira vez no ano de 1957, nos estados de São Paulo e Paraná. A bactéria causadora da doença é disseminada principalmente por mudas, frutos, sacarias, caixas de transporte e ferramentas contaminados.

A legislação federal (IN n?21, de 2018) proíbe o comércio de frutos de mesa com lesões de cancro cítrico de um estado para outro. Esta norma é importante para garantir que a praga não contamine novas propriedades onde não ocorre, mas também causa preocupação, pois se a praga contaminar as propriedades em Rondônia, dificultará a comercialização de frutos para outros estados, além dos prejuízos diretos na produção.

por Secom
da Secom

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais