Publicidade

Implantação do Ceasa em Rondônia vai gerar emprego e renda seguindo o modelo de gestão implantado em São Paulo

0
Real Turismo

O governador de Rondônia, Coronel Marcos Rocha, recebeu nesta terça-feira (16) os representantes da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), da Confederação Brasileira das Associações e Sindicatos de Comerciantes em Entrepostos de Abastecimento do Rio de Janeiro, e da Associação Brasileira das Centrais de Abastecimento (Abracen).

Durante a reunião, o presidente da Ceagesp, Johnni Hunter Nogueira, apresentou ao chefe do Executivo o modelo de gestão para a implantação da Central de Abastecimento de Produtos Alimentícios (Ceasa) em Rondônia. Johnni Hunter Nogueira comentou que a coordenação de um empreendimento desse porte não é tarefa fácil. “A dificuldade é muito grande. Imagine administrar um negócio onde circulam mais de 50 mil pessoas por dia, 12 mil veículos e 6 mil contratos, isso só em São Paulo. Com um volume de circulação de recursos em torno dos R$ 9 bilhões ao ano”, destacou.

“A Ceagesp tem expertise no gerenciamento de grandes empreendimentos e o governo de Rondônia vai seguir a mesma cartilha, que tem sido exemplo de sucesso. O Ceasa de São Paulo é quem faz a distribuição de produtos hortifrutigranjeiros para os demais estados do país, sabe como funciona o sistema”, ponderou o governador Marcos Rocha.

O governador disse ainda que o melhor modelo para conduzir o Ceasa em Rondônia é aquele que visa a desburocratização e cria oportunidades aos futuros investidores e permissionários.

O projeto de construção da Ceasa em Rondônia está sendo elaborado em conjunto com técnicos da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), da Agência de Defesa Agrosilvopastoril (Idaron), Secretaria de Estado de Finanças (Sefin), Departamento de Estradas de Rodagem, Infraestrutura e Serviços Públicos (DER), Superintendência de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi) e a Agência de Desenvolvimento de Porto Velho.

Segundo o secretário da Seagri, Evandro Padovani, que também participou da reunião, o projeto já está em andamento. “O governador Marcos Rocha pediu para focar na instalação da Central de Abastecimento de Alimentos. Todas as ações estão sendo alinhadas. A Superintendência Estadual de Patrimônio e Regularização Fundiária (Sepat) fez o georreferenciamento da área, a União já está passando as terras para o Estado. Vamos entrar com a licença ambiental para a limpeza do espaço. Ainda tem muito trabalho pela frente. Nossa meta é que em três anos a Ceasa de Rondônia esteja em pleno funcionando”.

O espaço disponibilizado de 200 mil metros quadrados, que corresponde a 20 hectares, está localizado a 17 quilômetros de Porto Velho, BR 364, sentido Cuiabá, em frente ao Distrito Industrial.

O governador Marcos Rocha acredita que com a implantação da Ceasa, além de fomentar a economia no Estado, vai gerar emprego e renda à população e fortalecer a agricultura familiar. “O governo do Estado, através da Seagri, vai regulamentar a produção, assim como os preços mínimos dos produtos hortifrutigranjeiros, principalmente do pequeno produtor, que vai cultivar com a certeza de venda garantida. Por meio de planejamento de produção, gerenciado pela Seagri e a Emater, os consumidores terão frutas, legumes e hortaliças o ano todo com preço mais acessível”, enfatizou.

DE IMPORTADOR A EXPORTADOR

De acordo com dados da Seagri e Emater, no mês de maio, Rondônia importou de outros estados quase 71 toneladas de frutas, como: Laranja, manga, uva, goiaba, abacate, limão, melancia, melancia e tangerina. Um total de mais de R$ 145 milhões gastos com importação. O estado de São Paulo é o maior abastecedor de Rondônia, com 59% da fatia nacional. Depois vem o Paraná (12%), Rio Grande do Sul (9%), Santa Catarina, Minas Gerais, Góias (4% cada), Bahia (3%), Mato Groso e Pernambuco somam 2%.

O governo de Rondônia pretende mudar essa realidade, levando em consideração o potencial do setor produtivo do Estado, que mesmo tendo que importar, abastece o Acre e o Amazonas, via fluvial, e os países vizinhos Bolívia e Peru, com produtos regionais. “Não temos dúvidas de que o estado de Rondônia será um grande centro de comercialização para atender a demanda interna e exportar o excedente para o Amazonas, Acre, Peru, Bolívia e, ainda, podemos retornar uma parte para a Ceagesp de São Paulo, que distribui aos demais estados do Brasil,” destacou Padovani.

O governador Marcos Rocha está de olho no mercado de Manaus quando a BR 319, que liga Porto Velho à capital do Amazonas, for asfaltada. “Exportar para o Amazonas, por barco, leva cerca de 5 dias. Pela estrada será questão de horas. Temos que estar preparados para atender o estado vizinho onde tem três milhões de habitantes, e 80% dos produtos que chegam ali são de outros estados. Rondônia, no futuro próximo, pode ser o celeiro para atender a demanda do Amazonas e Acre”, argumentou.

Para acelerar o projeto de implantação da Ceasa, o governador Marcos Rocha deve ser reunir com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, no mês de agosto para tratar sobre o assunto.

por Secom
da Secom

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais