Publicidade

Publicidade

Publicidade

Inspire – se!!

0
Real Turismo

capa_nova_frankRoger Federer, suíço, é considerado o maior tenista de todos os tempos, o mais impressionante de seus recordes (tem vários) é de ter conquistado 17 torneios Grand Slam (ocorrem quatro por ano) em sua carreira.

Novak Djokovic, sérvio, é o atual líder do ranking da ATP (Associação dos Tenistas Profissionais), coleciona fãs apaixonados pelos quatro cantos do mundo, além de jogar muito é um figura extremamente carismática.

Segundo a revista Forbes, o suíço faturou em 2014 67 milhões de dólares, Federer além de ser um multi campeão é um notável bilionário, entretanto, seus resultados em quadra nas ultima temporadas criaram um certo grau de desconfiança em sua carreira.

Já Djoko, que é bem mais novo, 28 anos contra 34 de Federer, já tem uma carreira coroada por títulos, se sua história não é tão invejável como a de Federer, hoje  é um tenista imbatível em quadra.

O que ambos tem em comum? A insaciável fome por vitórias, a incansável busca pelo sucesso e um eterno comprometimento com aquilo que se ama fazer.

A foto ilustrativa do artigo mostra os dois tenistas em prantos, a de Djokovic (camisa laranja) foi tirada depois da final de Roland Garros, na ocasião o sérvio foi derrotado na final, na cerimônia de premiação o publico presente ovacionou este. Vale lembrar que apesar da carreira vitoriosa esse nunca conseguiu ganhar o torneio francês, apesar de já ter chegado em 3 finais.

A foto de Federer é de ontem (12/07), na ocasião foi derrotado pelo mesmo Djoko na final de outro Grand Slam, Wimbledon, torneio esse que já faturou sete vezes.

Se por um lado o choro de Djokovic era uma mistura de tristeza por ter perdido um torneio que tanto almeja e ter sido consolado pelos aplausos da multidão, o de Federer é de alivio, pois, a critica esportiva e uma parcela dos fãs defendiam sua aposentadoria, com a chegada a final de um torneio tão importante, mostrou que ainda pode competir em alto nível.

Dessa forma, grande parcela das pessoas tem costume de reclamar de sua sorte, muito embora não façam nada no sentido de mudar o sentido de sua vida. Reclamam do trabalho, dos amigos, familiares, de seu par de sua vida como um todo.

Porém, não procuram uma forma de crescer intelectualmente, profissionalmente e financeiramente, pois, para isso tem – se que sair de sua zona de conforto. Arriscar – se em caminhos nunca percorridos.

Em ambas entrevistas pós jogos, os esportistas afirmaram que treinariam e se dedicariam ainda mais no próximo ano, para que pudessem sair vitoriosos na próxima oportunidade. Ao invés de reclamarem, cobraram-se ainda mais pelo resultado.

Pergunto-me se  com as adversidades que encontramos em nossa trajetória buscamos melhorarmos individualmente ou, procuramos um terceiro ou um fator extra para responsabilizarmos pelo nosso fracasso?

Muito embora cada um tenha sua particularidade, não podemos desistir de lutar nunca, vez que se o fracasso tem sabor amargo, entretanto, esse pode se tornar passageiro e rápido.

Entretanto, a vitória, o sucesso, o reconhecimento fica para toda uma eternidade e tem sabor adocicado, tendo em vista que o sucesso vem da luta, determinação e persistência.

Assim caros leitores, desejo uma semana de luta e realizações, contudo, se a derrota vier, faça dela a ponte para o seu sucesso, pois, apenas você pode conquistar aquilo que é seu de direito, avante!

 

Boa segunda e uma ótima semana!

“O que fazemos em vida, ecoa na Eternidade”

Maximus do filme O Gladiador


Por Frank Andrade

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais