Publicidade

Publicidade

Investimentos em pesquisa científica realizam sonhos e formam profissionais em Rondônia

0
Real Turismo

Um sonho está a caminho de se realizar para Mauro Valentino Paloschi, 26 anos. “Desde pequeno eu sempre disse: quando eu crescer quero ser cientista”. Há sete anos o jovem embarcou na viagem em busca do conhecimento. Primeiro com a graduação em Biomedicina, na Universidade Federal de Rondônia (Unir). Como era morador da cidade de Alta Floresta, Mauro mudou-se para a capital, Porto Velho.

“Quando eu terminei a graduação, fiz a Iniciação Científica, o Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Biologia Experimental, e prossegui com o Doutorado pelo mesmo programa. Com a bolsa de pesquisa da Fapero eu recebo R$ 2.200, um padrão nacional. Graças a essas oportunidades e investimentos nos programas de Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado, eu consegui chegar a esse sonho, consegui ser um cientista, contribuir com o desenvolvimento de Ciência não só no país, pois essas pesquisas são conhecidas pelo mundo inteiro”.

Mauro é doutorando e conduz a carreira científica como pesquisador na Fundação Oswaldo Cruz, e concluirá o curso em 2021. “Aqui no nosso laboratório trabalhamos com Imunologia, que é o estudo do sistema de defesa do nosso corpo contra os venenos de serpente. Estamos tentando entender como o nosso corpo se defende do envenenamento. Se entendermos isso, poderemos encontrar uma terapia mais adequada para o tratamento”.

 “Desde pequeno eu sempre disse: quando eu crescer quero ser cientista”, revela o doutorando, Mauro Paloschi.

O pesquisador explica que, mesmo tendo disponível o soro antiofídico, que reverte os efeitos sistêmicos do envenenamento ofídico, mas efeitos locais, da área onde acontece a mordida da serpente, não são revertidos e muitos pacientes acabam perdendo um membro ou ficando com uma lesão grave no local da mordida porque ainda não existe o tratamento adequado para o efeito local.

Orgulhoso por poder trabalhar com alta tecnologia de pesquisa, Mauro mostra o microscópio intravital, que permite imagens de animais ainda vivos, com resultados mais precisos. “Ele custa milhões e é o único na região Norte”.

Jéssica Amaral Lopes, também aos 26 anos, é colega de carreira de Mauro. Estudam juntos na Unir desde o tempo da graduação, sendo a dela em Biologia e, agora, compartilham o mesmo laboratório de pesquisa. “A diferença é que os venenos que eu trabalho são outros, as vertentes são diferentes, mas com o mesmo fim, que é Imunologia Celular”.

Para a doutoranda, para quem não é filho de pais com boas condições financeiras, a bolsa financiada pela Fundação Rondônia de Amparo ao Desenvolvimento das Ações Científicas e Tecnológicas e à Pesquisa do Estado de Rondônia (Fapero) é muito importante para a que os contemplados possam se manter nos estudos. “Não temos férias, carteira assinada e nenhum outro benefício. Minha carteira de trabalho não tem nenhum registro ainda, porque eu até hoje só me dediquei aos estudos. O meu curso era integral, e nos períodos vagos eu ficava em laboratório querendo aprender mais. Tudo isso tem um custo: alimentação, transporte, e até aluguel, no caso do Mauro”. Sobre o trabalho, a pesquisadora destaca a necessidade da bolsa.

 

Aqui trabalhamos com experimental e isso demanda muito tempo. Então esse auxílio é para sobrevivermos e podermos sugar ao máximo todo conhecimento aqui aplicado e descoberto”, declara Jéssica Amaral, doutoranda em Biologia Experimental.

INVESTIMENTOS

Primando pela manutenção das pesquisas e formação de profissionais qualificados para a carreira científica, o Governo do Estado abrirá Crédito Suplementar por Superavit Financeiro até o valor de R$ 50 mil para dar cobertura orçamentária à Fapero, que em Termo de Cooperação com a Secretaria Estadual de Agricultura (Seagri) realizará o projeto “Pesquisa Técnica e Científica em Sistema Intensivo de Cultivo em Tanque Rede para Lagos Artificiais e Naturais do Estado de Rondônia”.

A liberação do recurso foi autorizada pela Assembleia Legislativa em agosto deste ano. Desta forma, a Fapero dará o suporte às pesquisas sobre aquicultura, com experimentos de produção de peixes em sistemas intensivos em tanque rede, no Lago de Cujubim Grande e realizará a seleção de projetos direcionados ao objetivo do programa, com chamamento público e todas as etapas de avaliação, concomitante a classificação das propostas.

por Secom
da Secom

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais