Publicidade

Publicidade

Jovem de 19 anos é preso por ter furado moeda de R$ 1 real em Vilhena, RO

À PM, rapaz justificou que usaria a moeda como pingente. Segundo o Código Penal Brasileiro, rasgar, sujar, destruir ou danificar dinheiro é crime de dano qualificado.

1
Real Turismo

Um jovem, de 19 anos, foi preso por ter furado uma moeda de R$ 1 em Vilhena (RO), região do Cone Sul. O caso ocorreu na última quarta-feira (17), mas só foi divulgado pela Polícia Militar (PM) local nesta quinta-feira (18).

Segundo o boletim de ocorrência, uma equipe da PM fazia patrulhamento pelo bairro Cristo Rei, quando avistou o rapaz, que estava conduzindo uma motocicleta, em comportamento suspeito.

A PM, então, pediu para que ele parasse. Durante a abordagem, os policiais detectaram que o jovem não tinha Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e que estava com uma moeda de um real perfurada.

Como justificativa, o rapaz disse ter furado a moeda para ser usada como um pingente e que estava com ela há cerca de 30 dias. Mesmo assim, os policiais deram voz de prisão a ele por dano ao patrimônio.

O jovem foi encaminhado à Unidade Integrada de Segurança Pública (Unisp) da cidade. Ficou preso, mas depois foi liberado. A moeda continua apreendida na delegacia.

De acordo com o artigo 163 do Código Penal Brasileiro, se a pessoa rasgar, sujar, destruir ou danificar um papel-moeda ou metálica, mesmo que seja própria, é considerado crime de dano qualificado. A pena prevista é de detenção de seis meses a três anos, além de estar sujeito ao pagamento de multa.

O crime tipicado no artigo 163 do Código Penal, se configura, uma vez que o papel moeda ou metálico, ainda que de propriedade do individuo, é tido como um patrimônio da União, o ilícito é tipificado como dano qualificado.

Dano

Art. 163 – Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia:

Pena – detenção, de um a seis meses, ou multa.

Dano qualificado

Parágrafo único – Se o crime é cometido:

I – com violência à pessoa ou grave ameaça;

II – com emprego de substância inflamável ou explosiva, se o fato não constitui crime mais grave

III – contra o patrimônio da União, de Estado, do Distrito Federal, de Município ou de autarquia, fundação pública, empresa pública, sociedade de economia mista ou empresa concessionária de serviços públicos;                 (Redação dada pela Lei nº 13.531, de 2017)

IV – por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima:

Pena – detenção, de seis meses a três anos, e multa, além da pena correspondente à violência.

A competência para julgar do ilícito penal é da Justiça Federal, uma vez que envolve a União.

por G1 RO / Portal Espigão
da G1 RO / Portal Espigão
  1. Kairo Diz

    Chega ser ridículo uma prisão dessa. Mais fazer oq e lei né. Brasil…

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais