Publicidade

Publicidade

Mais de 2,4 mil pessoas já foram beneficiados com a emissão do RG pela Casa da Cidadania

0
Real Turismo

Desde dezembro de 2017 em atendimento ampliado para toda a comunidade de Porto Velho, além de suprir a demanda dos apenados do sistema penitenciário estadual, a Casa da Cidadania já atendeu neste período cerca de 400 pessoas, tanto da área rural quanto urbana. A instituição está instalada ao lado do Presídio Edvan Mariano Rosendo, o Urso Panda.

O trabalho, que faz parte de um projeto do Núcleo de Serviço Social da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), já é realizado desde o ano de 2013 dentro das unidades prisionais. Segundo a diretora do Núcleo e idealizadora do projeto, Glaucioneide Rodrigues Leão, o acesso ao Registro Geral (RG) ou documento de identidade é o serviço ofertado pela Casa.

“Nós fizemos o diagnóstico da necessidade de documentação que muitos não possuíam. Para qualquer ação, até mesmo uma internação médica, o apenado precisa ter sua cidadania que se dá através da documentação. Para isso articulamos parcerias, como um núcleo instalado dentro do Instituto de Identificação, para fazer esse trabalho. Hoje atendemos a sitiantes, ribeirinhos, servidores da Sejus, além dos próprios apenados”.

De 2013 até este ano, a diretora afirma que mais de 2 mil reeducandos já foram beneficiados com o atendimento. “O processo de atendimento é realizado pelos assistentes sociais, que em casos de ausência até mesmo da certidão de nascimento ou casamento, nós entramos em contato com o cartório da cidade de origem do apenado para que nos seja enviada a segunda via do documento. Quando o reeducando não tem nenhum familiar para auxiliar no processo, nós temos o programa do SUS (que é nacional), o sistema da Polícia Civil e parcerias com os institutos de identificação de outros estados, tudo para que possamos fazer a pesquisa e conseguir as informações documentais e chegar à conclusão com a emissão do RG”, explica.

O tempo de entrega dos documentos de identidade variam de 15 a 30 dias, dependendo do caso de cada apenado.

Para dar entrada no pedido do documento, que para os apenados é gratuito, é preciso duas fotos 3×4, certidão de nascimento ou casamento, e certidão carcerária. Para a população geral, caso seja a primeira via, o documento é gratuito, mas se for necessária a emissão de segunda via sem registro de ocorrência de furto ou roubo, a taxa é cobrada normalmente no valor de R$ 97,81. É necessária a apresentação de duas fotos 3×4, certidão de nascimento ou casamento, e comprovante de residência.

por Secom
da Secom

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais