Publicidade

Publicidade

Publicidade

Médicos pelo Brasil: Jaqueline Cassol defende que médicos formados no exterior sejam incluídos no programa

Deputada vai propor emendas ao texto para corrigir fragilidades e garantir justiça no programa

0
Real Turismo

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) recebeu com estranheza a notícia de que o programa Médicos pelo Brasil, lançado nesta quinta-feira (1), pelo Governo Federal, em substituição ao Mais Médicos, não atende os profissionais formados no exterior. A parlamentar anunciou que vai atuar, na Comissão Mista, para corrigir possíveis falhas presentes no texto.

Através de Medida Provisória, o Governo Federal alterou as regras de seleção dos profissionais. Poderão participar do programa apenas médicos com Registro Médico Profissional (CRM). Jaqueline Cassol elogiou a ação do Ministério da Saúde em lançar um novo modelo para o programa, mas criticou a abertura do edital antes da realização da prova do Revalida. “Não é justo que o Governo lance o programa em substituição ao Mais Médicos, sem realizar a prova do Revalida. Muitos médicos, inclusive brasileiros, formados no exterior aguardam essa oportunidade e serão prejudicados se este formato continuar”.

O Texto prevê o aumento na oferta de vagas em regiões remotas, gratificação para médicos lotados em localidades distantes, e alteração na metodologia de escolha dos municípios, para garantir o atendimento em áreas mais vulneráveis. Estão previstas 18 mil vagas. Destas, 13 mil devem estar em municípios avaliados como de difícil provimento, sendo 10 mil no Norte e Nordeste.

No entanto, a deputada Jaqueline Cassol lembrou que o índice de desistência de profissionais com CRM, lotados em regiões remotas, é altíssimo, o que pode prejudicar a população dessas localidades. “Os médicos formados no exterior só querem uma chance de voltar para o Brasil e trabalhar, inclusive onde os que tem CRM renunciam. O pagamento da gratificação para esse profissionais é uma estratégia interessante, mas por experiência, sabemos que  pode ser insuficiente”.

A Medida Provisória cria o Bolsa Formação. A ideia é que o médico aprovado no programa receba um auxílio de R$ 12 mil reais para fazer especialização em saúde da família e comunidade. Após esse período o profissional será avaliado e, se aprovado, será contratado pelo Governo, com carteira assinada. O Médicos pelo Brasil cria também a Agência para o Desenvolvimento da Atenção Primária à Saúde (ADAPS), que cuidará da seleção e contratação dos profissionais.

A proposta do Governo Federal será discutida por Comissão Mista, onde participam deputados e senadores. Jaqueline Cassol garantiu que irá propor emendas ao texto para corrigir fragilidades e garantir justiça no programa. “Ampliando esse debate vamos construir um texto que atenda os brasileiros que precisam do atendimento de saúde e também os profissionais formados no exterior que tenham aptidão para exercer a medicina no Brasil”

 

Confira vídeo da defesa da deputada pelo Revalida: https://www.instagram.com/tv/BzMRxKvgwnI/

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais