Publicidade

Publicidade

Ministro da Cidadania deseja democratizar o acesso aos recursos da Lei Rouanet

Senador Confúcio Moura observa no discurso uma possibilidade de revitalizar o Museu da Memória Rondoniense

0
Real Turismo

Em audiência pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal (CE), o ministro da Cidadania, Osmar Terra, apresentou na terça-feira (19), as diretrizes de sua pasta, que atua em três grandes segmentos: cultura, esporte e desenvolvimento social. No âmbito da cultura, garantiu a continuidade da Lei de Incentivo à Cultura (8.313/1991), também conhecida por Lei Rouanet, mas deseja democratizar o acesso aos recursos.

“Há uma tendência, até pela tradição cultural e localização das grandes empresas, em concentrar os investimentos nas produções do eixo Rio-São Paulo, 80% dos valores são destinados aos dois estados. Então, vai muito pouco para as outras regiões. O Nordeste, por exemplo, tem 25% da população brasileira e fica como aproximadamente 4% dos recursos do mecanismo”, afirma o ministro.

Membro titular da Comissão de Educação, o senador Confúcio Moura (MDB/RO) pediu a aproximação do Ministério da Cidadania com o Ministério da Educação, principalmente agora, as vésperas da implantação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento de caráter normativo que definiu as três disciplinas obrigatórias da grade escolar – matemática, português e inglês –, mas coloca o esporte e a cultura como opcionais.

Neste sentido, utilizando-se da ideia da melhor distribuição dos recursos da Lei de Incentivo à Cultura, observou uma possibilidade de ampliar a divulgação da cultura regional. “Todo rondoniense que lembra e gosta do Estado, pode honrar com nossa cultura, destinando parte do imposto de renda devido aos projetos culturais locais, a citar o Museus da Memória Rondoniense”, incentiva Confúcio.

Em tempo

O Museu da Memória Rondoniense funciona no antigo Palácio Presidente Getúlio Vargas. Abriga as obras de artes do Estado, exposições temporárias e de longa duração, além de auditório, sala de pesquisa e laboratório de análise arqueológica. Contudo, o espaço precisa de melhorias estruturais e recursos para a manutenção do acervo. Uma possibilidade é setorizar as demandas e desenvolver projetos específicos, submetendo-os a Secretaria Especial da Cultura. Após a aprovação, poderá captar recursos por meio do incentivo fiscal, assim como faz o Museu de Arte de São Paulo (Masp) e o Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro.

Qualquer contribuinte pode incentivar um projeto autorizado pela Lei de Incentivo à Cultura. Pessoas físicas podem doar até 6% do imposto de renda devido e, jurídicas, até 4%. Dentro do limite estabelecido, o valor doado é totalmente deduzido do tributo.

por Assessoria
da Assessoria

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais