Publicidade

Publicidade

Morre jovem baleado há quase 2 meses pela PM em RO; família diz que abordagem foi ‘desastrosa’

Alex da Silva passou mais de um mês na UTI e morreu em Porto Velho. Confundido com bandido, ele teria sido baleado por um PM ao tirar a carteira da bermuda.

0
Real Turismo

Foi enterrado nesta quinta-feira (29) o corpo do jovem Alex da Silva Menezes, de 20 anos, baleado por um policial durante uma abordagem no dia 9 de outubro, em Porto Velho. O rapaz ficou internado por um mês e 20 dias no hospital João Paulo II e morreu na quinta-feira (28).

Ao G1, a família do rapaz lamentou o óbito e classificou a abordagem policial como “desastrosa”. Segundo eles, o policial envolvido no caso não agiu de acordo com a lei e atirou no rapaz de forma criminosa, para matar.

De acordo com registro policial, Alex foi baleado por um policial do núcleo de inteligência da PM, na noite do dia 9 de outubro, quando caminhava pela rua Lúcia de Carvalho, no bairro Teixeirão, Zona Leste da capital.

Os policiais tentavam rastrear uma motocicleta roubada. Ao ser abordado, o rapaz teria feito menção de sacar algo da bermuda e acabou alvejado. Alex estava apenas com uma carteira porta cédulas. Ele foi socorrido pela própria PM e levado ao hospital João Paulo II.

Devido à gravidade do ferimento, Alex da Silva Menezes teve que ser submetido a nove cirurgias e acabou perdendo um rim e a vesícula. Nos últimos dias, o quadro de saúde se agravou e ele acabou morrendo. “Morreu em decorrência do tiro”, informou a irmã de Alex, Luana da Silva Menezes.

Versão da família

Segundo a irmã de Alex, ele estava de folga e bebia com um vizinho, em frente a casa onde mora. A bebida acabou e os dois foram comprar mais cerveja.

“Ele tem uma moto, mas os dois foram a pé”, informou Luana da Silva. No caminho, Alex e o vizinho foram abordados por policiais que estavam descaracterizados, conhecidos como P2, do serviço velado da Polícia Militar.

“O Alex levantou a camisa e puxou a carteira que estava no cós da bermuda. O amigo dele percebeu que os policiais iam sacar as armas deles e avisou que Alex não era vagabundo e que não estava armado, mesmo assim o policial atirou”, lamentou Lúcia de Carvalho.

A irmã diz que Alex era uma pessoa trabalhadora. “Nunca foi preso e nem gostava de andar de turma. Os amigos todos são evangélicos e ele era um rapaz de boa índole”, comentou, dizendo que o policial envolvido no caso é “despreparado”.

A família alega ainda que não foi avisada pela PM sobre o ocorrido. “Só soube da história quando ele (Alex) já estava na UTI e já tinha passado por cirurgia”, afirmou.

Depois de socorrer o rapaz, os policiais levaram o vizinho da vítima à Central de Polícia. Lá, ele foi mantido preso até às 4h da manhã do dia seguinte e, só ao sair, informou o caso à família de Alex.

“O boletim de ocorrência foi registrado como roubo de veículo”, disse o advogado que está orientando a família.

Segundo o pai de Alex, o sitiante Antônio Lorival dos Santos Menezes, o filho dele era um rapaz brincalhão e, por um erro de interpretação, acabou baleado pelo PM.

“Ele não acreditou que o homem que o abordou era policial, por isso brincou”, acentuou, acrescentando que tudo que quer agora é justiça. “A família ainda não sabe o que fazer, mas já temos a orientação de um advogado”, diz.

Outro lado

À reportagem, a assessoria da Polícia Militar (PM) informou que a Corregedoria vai abrir um inquérito policial militar para apurar os fatos detalhadamente.

por G1/RO
da G1/RO

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais