Publicidade

Publicidade

PM registra 7 casos graves de violência doméstica em RO no fim de semana

0
Real Turismo

A Polícia Militar (PM) registrou, entre a madrugada do último sábado (12) e a manhã deste domingo (13), pelo menos sete casos graves de violência doméstica em Rondônia, quatro em Porto Velho, dois em distritos da capital e um foi registrado em São Francisco do Guaporé (RO). Dos sete suspeitos apontados nos boletins policiais, três seguem foragidos.

O mais grave aconteceu na manhã de sábado, na Zona Leste de Porto Velho. Segundo registro de ocorrência, uma jovem grávida de 24 anos, contou que estava em uma festa com amigas quando foi agredida por várias mulheres desconhecidas.

Após a confusão, a jovem disse aos policiais que chegou ao seu apartamento e começou a discutir com o namorado, um jovem de 20 anos, após ele concluir que ela teria perdido um molho de chaves.

O rapaz informou à PM que estava junto com a vítima na festa e que, ao chegar no apartamento, o casal começou a discutir por ciúmes. Disse ainda que pegou a bicicleta e deixou o local.

No entanto, uma testemunha, que possui um restaurante próximo ao local, contou ter visto o rapaz agredindo a namorada e que a briga entre eles terminou dentro do estabelecimento. Após interferir junto com populares, a testemunha contou que a mulher estava bastante ferida.

Ainda segundo a ocorrência, o dono do apartamento onde o casal mora contou que a residência estava com várias marcas de sangue, além de objetos destruídos, telhas quebradas e pedaços de cabelos no chão. Cabelos também foram encontrados com o namorado da vítima que, após a agressão, fugiu.

Ao receber voz de prisão, os policiais contaram que ele resistiu e caiu da bicicleta, continuando a fuga a pé.

De acordo com o boletim, ao ser capturado pelas autoridades, o suspeito estava bastante alterado e chegou a xingar e a ameaçar os policiais. A namorada do jovem teve a mesma reação ao saber que ele iria preso.

Conforme informações da polícia, a mulher chegou a puxar membros da guarnição pela farda e tentou agredi-los, sendo necessário o apoio de outros policiais. Diante disso, a vítima da agressão acabou recebendo voz de prisão por desacato, resistência, depredação e desobediência.

A mulher se recusou a entrar no carro da polícia e começou a chutar o veículo, chegando a arrancar a tampa traseira de vidro da viatura. Já algemada, ela informou que está grávida de dois meses.

Os policiais contaram que a mulher tinha cortes na cabeça, nas pernas e no braço, possivelmente oriundos das agressões. Ela chegou a ser levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas negou atendimento médico.

O rapaz recebeu voz de prisão por violência doméstica, resistência, desacato e ameaça. Em seguida, o casal preso foi encaminhado à Central de Flagrantes.

Agressores soltos

Durante a noite de sábado em Porto Velho, uma jovem de 20 anos foi agredida por seu marido, de 19 anos, na região central da cidade. Segundo a vítima, tudo começou quando ela disse ao suspeito que queria se separar, pois não aguentava mais as discussões e agressões frequentes dentro do relacionamento.

Nesse momento, a jovem contou que o marido começou a desferir murros, tapas e puxões de cabelo contra ela. No boletim, a vítima disse também que deixou a casa da sogra e foi até a Avenida Calama, junto com sua filha de colo, para pedir socorro.

Outro caso de violência doméstica aconteceu em Jaci-Paraná, distrito de Porto Velho. A vítima, uma mulher de 45 anos, contou à polícia que estava em casa, quando o marido, de 54 anos, começou a agredi-la com um facão, causando-lhe lesões nas pernas e nas costas.

Segundo a PM, ele estava embriagado. O caso ocorreu na sexta-feira (11), mas só foi registrado durante a madrugada de sábado.

Ainda no sábado, em São Francisco do Guaporé (RO), a 604 quilômetros de Porto Velho, uma mulher de 41 anos foi agredida pelo seu parceiro com um soco e depois derrubada no chão. Nos três casos, os suspeitos ainda não foram localizados pela polícia.

Socorrida pelos vizinhos

Também no sábado, outra mulher foi vítima de violência doméstica. Dessa vez, o caso ocorreu no condomínio popular Orgulho do Madeira, na Zona Leste de Porto Velho.

Aos policiais, a vítima de 30 anos contou que o marido, um dono de bar de 31 anos, chegou embriagado em casa e supostamente sob o efeito de drogas. Sem motivo aparente, começou a agredi-la física e verbalmente.

Após terminar as agressões, a mulher contou à polícia que o suspeito trancou a porta do apartamento e guardou as chaves para que ela e as três filhas não fugissem.

Segundo a vítima, após acordar, o homem ainda teria efetuado um disparo de arma de fogo dentro da residência. A noite, a mulher disse que conseguiu convencer o agressor a deixá-la sair para comprar comida, mas que ao retornar ao apartamento, ainda na rua, o suspeito a pegou pelos cabelos, a arrastou para dentro da residência e voltou a agredi-la. Agora, com socos na cabeça.

Após conseguir se soltar, a mulher foi socorrida por vizinhos. Eles chamaram um motorista de aplicativo que a levou até a casa da mãe dela em um bairro próximo.

No apartamento, os policiais encontraram o suspeito bebendo e, possivelmente, ainda sob o efeito de drogas. Após realizar buscas no local, a polícia encontrou uma arma de produção artesanal e dois cartuchos com munições de calibre 36.

Os policiais ainda acharam com o suspeito um pequeno saco com cocaína. O homem recebeu voz de prisão por violência doméstica, porte irregular de arma de fogo e entorpecente.

Tentativa de defesa

Ainda na noite de sábado, no distrito de Nova Mutum Paraná, em Porto Velho, um mulher de 29 anos foi vítima do mesmo crime.

Conforme o boletim de ocorrência, o agressor de 34 anos também foi encontrado alcoolizado. Aos policiais, o próprio suspeito contou que tinha discutido com a vítima e que a agrediu com vários chutes por ciúmes.

A vítima confirmou que o marido havia chegado bêbado do trabalho e, bastante alterado, começou a xingá-la e desferiu um chute em seu rosto.

A mulher disse que chegou a se defender das agressões com socos, mas optou por deixar a residência e procurar socorro com uma vizinha. O suspeito foi preso pela polícia e encaminhado à Central de Flagrantes por lesão corporal.

Violência constante

Já na madrugada deste domingo (13), a PM registrou o caso de um pastor de 40 anos foi preso após agredir a própria mulher e uma sobrinha, na Zona Sul de Porto Velho.

Conforme depoimento da esposa do suspeito, uma mulher de 35 anos, ele chegou em casa e tentou desferir alguns socos contra a vítima, que conseguiu se esquivar das agressões. Aparentemente sem motivo.

Conforme o registro policial, uma sobrinha do casal, de 23 anos, interveio na briga e acabou empurrada ao chão pelo agressor. Ela sofreu lesões no joelho e chegou a torcer o tornozelo direito.

Aos policiais, a esposa do homem contou que as agressões são constantes, mas que não denunciou o marido antes por ele ser pastor de uma igreja que frequentam. Ele foi preso por violência doméstica.

por G1
da G1 RO

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais