Compartilhe
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
19
jan
2021

A POLÍCIA TEM QUE ALERTAR OS TRAFICANTES SOBRE QUANDO VAI AGIR

Opinião de Primeira Por Sérgio Pires: A culpa não é só dele. A culpa maior é do ex-presidente Lula, que, do alto da sua popularidade, o colocou embaixo do braço e elegeu, praticamente sozinho, prefeito de São Paulo. Fernando Haddad já tinha demonstrado sua incompetência no Ministério da Educação, onde o Brasil só andou para trás. Na Prefeitura de São Paulo, tem sido o que sempre foi: incompetente, falastrão, ideólogo, defensor de causas antiquadas. Fez mais uma esta semana, o senhor Haddad. Criticou a polícia paulista que entrou na Cracolândia para prender traficantes de drogas. A polícia foi atacada pelos viciados, zumbis a quem assistimos, de braços cruzados, destruir as próprias vidas e as dos outros. E o prefeito de São Paulo condenou a reação policial, que se defendeu,  para conter a horda de usuários do crack. Ao invés de elogiar a polícia, pela prisão dos traficantes, eles sim, os grandes culpados pela Cracolândia, o Prefeito disse que a polícia deveria ter avisado (certamente o narcotráfico saberia da ação rapidamente) que iria fazer prisões naquele local. Inacreditável!

Disse mais o prefeito que só chegou ao cargo pelos braços de Lula: “Esse tipo de ação pode comprometer essa relação de confiança que foi estabelecida. E isso nós não podemos permitir”. Confiança com quem? Com os traficantes e o crime organizado? Com os viciados não deve ser, porque a grande maioria deles não tem sequer vontade própria. Sobrevivem por milagre, até que o crack os mate. Alguns poucos escaparão, mas a grande maioria não tem cura. Mas o centro da questão não é essa. É sobre o puxão de orelhas de uma autoridade sobre a polícia, quando a polícia agiu para impedir o tráfico de drogas. Bem feito para São Paulo ter eleito Lula, quer dizer, Haddad. Triste para o Brasil, ter figuras  públicas e políticos como esse prefeito.

SEM IDENTIFICAÇÃO

Pobre contribuinte!  O  sistema de identificação do Estado só atende 100 pessoas por dia em Porto Velho (para uma população que anda célere em direção ao meio milhão de habitantes). O jeito é ter paciência de Jó.  No local, filas imensas desde a madrugada, incluindo algumas pessoas desesperadas, que precisam do documento para trabalho, concurso, matrícula escolar. O jornalista Alex Sakai, que está há dias tentando conseguir uma identidade para sua filha, distribuiu texto contando a odisséia que é tirar a Identidade por aqui. Lamentável!

GREVE DE FOME

Outro fato que bem demonstra a insatisfação das comunidades é o caso de um pastor de Cacoal. Ele começou uma greve de fome de sete dias, protestando contra as péssimas condições da saúde e principalmente do Hospital de Pronto Socorro na cidade. Além disso, está fazendo  uma coleta de assinaturas, num abaixo-assinado, para encaminhar ao Ministério Público, pedindo socorro. As pessoas comuns não suportam mais o tratamento que estão tendo, a despeito de pagarem os impostos mais altos do mundo, até porque não há retorno.

 TRISTE ANIVERSÁRIO

Ontem fechou um ano do terrível assassinato da linda jovem Naiara Karine. Ele foi brutalizada por pelo menos quatro criminosos e friamente assassinada. Pouco mais que uma criança, o crime contra Naiara revoltou não só a comunidade de Porto Velho, como de toda a Rondônia. A polícia já prendeu três dos quatro envolvidos  na morte, com requintes de cureldade, da jovem indefesa. Há ainda fatos sobre o caso não bem esclarecidos, mas por justiça, deve-se dizer que a polícia trabalhou bem para resolver o crime.

 A CENSURA COM APELIDOS

Devagar,  novas leis vão surgindo para impor a censura à livre opinião, contornando a Constituição com palavreado bem escolhido. Legisladores, com apoio de poderosos de plantão e alas do Ministério Público e do Judiciário, vão trazendo de volta a tenebrosa censura que nos assolou durante anos. Claro que agora ela está disfarçada sob novos apelidos, explicações e complexidades j urídicas, mas está voltando e com força. Agora não só pode dar prisão, como ainda colocar os jornalistas condenados no rol dos eternos endividados.

 BEM NA FOTO

Entra pesquisa, sai pesquisa e o nome de Expedito Júnior está , em praticamente em todas, como primeiro colocado  nas intenções de votos. Claro que isso retrata uma situação do momento e que haverá uma dura campanha eleitoral pela frente. Tudo pode mudar. Além disso, ainda há quem duvide que Expedito possa mesmo ser candidato em outubro. O que é incontestável é que, se puder concorrer, será um osso duríssimo de roer.

ASNEIRA EM DOSE DUPLA

Pesquisa feira pelo DataFolha, aponta que 80% dos entrevistados ouvidos em São Paulo, são contra os tais rolezinhos. E 68% dos negros não veem qualquer resquício de racismo quando os shoppings  fecham para não receber a horda de baderneiros. A grande maioria entrevistada – e os percentuais mais altos contrários aos rolezinhos  – são da classe baixa, e,  portanto, não dão gaurida às besteiras absurdas ditas pelos ministros Gilberto Carvalho e Luiza Bairros. Os dois deviam ter ficado de boca fechada, ao invés de falar asneiras.

PERGUNTINHA

Porque será que se as coisas vão tão bem em relação aos preparativos da Copa do Mundo, como diz o governo, a gente tem uma sensação que corremos grande risco de um fiasco?

Notícias Relacionadas