Publicidade

Publicidade

Policlínica Oswaldo Cruz, em Porto Velho, oferece tratamento e encaminhamento para cirurgia bariátrica

0
Real Turismo

A cada dois meses,  pacientes com obesidade têm que fazer exames de rotina e passar pelo atendimento multidisciplinar em Porto Velho.

Enfermeiras obtêm para eles prioridades em consultas com especialistas, notadamente em cardiologia, ginecologia, ortopedia, psiquiatria e outros.

No conjunto de benefícios, esse é um dos melhores sempre aguardados pelo público assistido pelo Programa de Atendimento Especializado ao Paciente Obeso (Paepo), que apoia atualmente 600 pacientes na Policlínica Oswaldo Cruz (POC). Desse total, 30% são pacientes do interior, notadamente, de Alta Floresta, Ariquemes, Cujubim, Jaru, Machadinho d’Oeste, Santa Luzia d’Oeste e Vilhena.

Eles viajam para Porto Velho em ambulâncias, carros próprios, ônibus e vans. Até o final do ano, o Paepo concluirá o encaminhamento de aproximadamente 60 pessoas para cirurgias bariátricas no Hospital de Base Ary Pinheiro.

“Nosso trabalho inicia-se pelo posto de saúde municipal, identificando a obesidade, encaminhando a pessoa com sobrepeso para a POC, e aqui ela é regulada para o atendimento com a equipe interdisciplinar”, explicou a psicóloga do programa, Maria Lopes de Lucena.

Segundo ela, primeiramente a enfermeira recebe o paciente faz uma bateria de exames, passa em seguida aos cuidados do endocrinologista e da nutricionista, e aí inicia o tratamento. Esses dois profissionais necessitam conhecer a real situação de saúde do paciente, após o que tem início o atendimento psicológico.

Em grupo de cinco profissionais, a equipe procura entender os fatores que levaram a pessoa adquirir obesidade, e corrigi-la: a nutricionista com modelos de hábitos saudáveis de alimentação, o médico indicando medicamentos que auxiliam na perda de peso, e o psicólogo analisando o quadro emocional do paciente, entendendo os meios que ocasionaram a obesidade.

“Trabalhamos, então, as ferramentas necessárias para o paciente mudar o estilo de vida, resgatar a autoestima, o valor próprio, a motivação, a descoberta desses fatores de vulnerabilidades e desajustes,  e , com a ajuda do paciente, restabelecemos a sua saúde emocional e rompendo o círculo vicioso que muitos vivem, de emagrecer e engordar”, assinalou Maria José.

Maria Lopes atribui o êxito do atendimento a essas pessoas, também, às prefeituras de Cacoal, Jaru e Rolim de Moura, que mantêm casas de apoio na capital.  “Eles têm onde ficar e fica mais fácil chegarem aqui descansados e dispostos”, ela disse.

Para o atendimento diferenciado a pessoas tão especiais, vítimas de doença crônica de causa multifatorial, a equipe multidisciplinar da POC é formada por um médico endocrinologista, uma enfermeira, uma nutricionista, uma enfermeira e uma psicóloga.

Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, em Porto Velho, 52% dos adultos apresentam excesso de peso e deste total, 19% são obesos.

Assim, o Paepo, apoiado também pelo trabalho de fisioterapeutas, busca beneficiar maior número de pacientes obesos, prestando-lhes atendimento ambulatorial multiprofissional em grupos, incentivando o emagrecimento com mudanças de hábitos de vida, como alimentação saudável e atividade física.

O EXEMPLO DE MACHADINHO D’OESTE

Psicóloga Maria Lopes: mudança de hábitos é essencial

A ex-obesa Simone, de Machadinho do Oeste (a 324 quilômetros de Porto Velho), é uma pessoa pobre, analfabeta, mãe de três filhos, portadora de transtorno bipolar, mas conseguiu sensibilizar a psicóloga ao se comprometer com o Sistema Único de Saúde (SUS) a mudar o comportamento.

Simone, 1,40m de altura, 33 anos, pesava 155 quilos, tinha pena dos filhos e distribuía para eles alguns alimentos do seu kit, incluindo frutas. Disse à psicóloga que não tinha recursos para oferecer-lhes dieta semelhante à dela, e se constrangia.

Aconselhada, resolveu não mais compartilhar os alimentos e até escondeu-os, para seguir à risca o tratamento e posterior cirurgia no Hospital de Base.

“Havia dúvida, mas o nosso laudo recomendou aos médicos o encaminhamento dela para a cirurgia, desde que cumprisse regras nutricionais, melhorando o metabolismo, e ela venceu”, comentou Maria Lopes.

Simone perdeu 30 quilos durante a dieta e a cirurgia eliminou-lhe outros 40. Ao todo, emagreceu 70 quilos e agora faz plásticas reparadoras. Ela disse à psicóloga: “Agora eu vou ter mais tempo de vida para me dedicar mais aos meus filhos”.

Certamente, estimulada pela equipe da POC que a diagnosticou e acompanhou seu drama durante dois anos, ela voltará ao rio onde nadava e voltará a fazer a caminhada de dois quilômetros por dia.

“Dona Simone é muito conhecida por lá (Machadinho d’Oeste), passou a compor letras de música após a cirurgia, é agora outra pessoa”, observou a psicóloga.

MULTIFATORIAL

? A obesidade é uma doença crônica, de causa multifatorial, em expansão, em que ocorre uma sobreposição de fatores genéticos e ambientais. Sua prevalência é crescente, não somente em adultos, como também em crianças e adolescentes.

? Não é um fenômeno recente na história da humanidade, entretanto, nunca havia alcançado proporções epidêmicas como atualmente se observa.

? A obesidade pode iniciar em qualquer idade e ser precipitada por fatores, entre os quais, desmame precoce, introdução inadequada de alimentos, distúrbios de comportamento alimentar e da relação familiar, especialmente nos períodos de aceleração do crescimento.

? Existem três tipos básicos de cirurgias bariátricas: restritivas, mistas e disabsortivas. As cirurgias que apenas diminuem o tamanho do estômago são chamadas do tipo restritivo (Banda Gástrica Ajustável, Gastroplastia Vertical com Bandagem ou Cirurgia de Mason e a Gastroplastia Vertical em “Sleeve”).

? A perda de peso se faz pela redução da ingestão de alimentos. Existem também as cirurgias mistas, nas quais há a redução do tamanho do estomago e um desvio do trânsito intestinal. Além da redução da ingestão, há diminuição da absorção dos alimentos.

? Cirurgias mistas podem ser predominantemente restritivas (derivação gástrica com e sem anel) e predominantemente disabsortivas (derivações bileopancreáticas).

por Assessoria
da Assessoria

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais