Publicidade

Publicidade

Prefeitura lança projeto carnaval Fora de Época solidário

0
Real Turismo

O secretário da Sempedec, Vicente Bessa, disse que a cota do rio Madeira está próxima aos 17 metros e que a cada vez que se verifica um aumento de dez centímetros

A Prefeitura de Porto Velho divulgou, por meio de uma coletiva de imprensa acontecida na sede da Fundação Cultural do Município (Funcultural), na manhã desta terça-feira (17), sua intenção de arrecadar mais de uma tonelada de alimentos não perecíveis durante o Carnaval Fora de Época. As arrecadações acontecerão com a parceria entre a Funcultural, Secretaria Municipal de Projetos Especiais e Defesa Civil (Sempedec) e os blocos carnavalescos Carnaleste, Leva Eu e Galo da Meia Noite. As atividades de divulgação e recolhimento dos víveres ocorrerão durante os dias que antecedem o evento tanto quanto serão implementados em meio ao Carnaval, que acontecerá entre os dias 20 a 22 deste mês. A intenção é distribuir os alimentos arrecadados entre famílias atingidas pelas cheias do rio Madeira.

Flávio Morais, diretor do Departamento de Artes e Cultura (DAC/Funcultural), explicou que a proposta da Prefeitura é a de unir a alegria do carnaval com a satisfação de ser solidário com os que padecem por causa das cheias ocorridas neste ano e no ano passado. “Temos a meta de ultrapassar a aquisição de uma tonelada de alimentos, mas é importante que os doadores verifiquem o prazo de validade e as condições de higiene dos alimentos, a fim de que não tenhamos que descartar parte dos materiais arrecadados”, disse o diretor, informando ainda que as doações já podem ser feitas na sede da Funcultural e que a partir da próxima quarta-feira (18), os blocos já estarão recolhendo doações na Associação de Bairro Tancredo Neves, na Loja Bahamas e na Sede do Bloco Galo da Meia Noite, na Rogério Weber próximo à Pinheiro Machado. Os que doarem obterão descontos nas compras dos abadás dos blocos.

O secretário da Sempedec, Vicente Bessa, disse que a cota do rio Madeira está próxima aos 17 metros e que a cada vez que se verifica um aumento de dez centímetros significa que cerca de vinte e cinco famílias passaram a ser atingidas pelas águas. “Estamos neste ano com mais de setecentas pessoas em situação de desalojamento ou desabrigo. Além disso, temos que continuar dando assistência às mais de duas mil famílias atingidas com a enchente do ano passado, portanto, necessitamos de muitas doações. Pedimos aos brincantes, como também a todas demais pessoas da sociedade portovelhense, que sejam generosos e ajudem aos necessitados”, concluiu.

Autor:  Assessoria

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais