Publicidade

Publicidade

Sistema sobre estados reacionais da Hanseníase em Rondônia é apresentado em Congresso nas Filipinas

A Hanseníase é uma doença dermato-neurológica, infecciosa, crônica, acometendo principalmente a pele e os nervos periféricos, podendo comprometer também os olhos, rins e outros órgãos, transmitida por vias aéreas, pela proximidade e convivência.

0
Real Turismo

Com destaque nacional e internacional, o desenvolvimento das ações voltadas ao tratamento da Hanseníase em Rondônia chegaram em Manila, capital das Filipinas, na Ásia. A coordenação estadual de Programa de Controle da Hanseníase, da Agência de Vigilância em Saúde (Agevisa), participou do 20° Congresso Internacional de Lepra com a apresentação do Sistema de Informação de Estados Reacionais (SisReação), no mês de setembro.

Com a criação da portaria de notificações compulsórias dos estados reacionais, em 2014, a Agevisa identificou a necessidade de validar a informação dentro do sistema com as notificações dos municípios. O sistema partiu de uma pesquisa levantada em Rondônia, de 2001 a 2004, sobre reações com pacientes em alguns municípios do Estado, dessa pesquisa realizada com pesquisadores da Universidade Federal do Ceará e Agevisa, viu-se a necessidade de criar uma ferramenta de monitoramento e acompanhamento.

Em 2006, foi criado um sistema mais simplificado offline, para notificações de estados reacionais. “As unidades faziam as notificações, encaminhavam à coordenação, que alimentava o sistema. Em 2017 viu-se a necessidade de ampliar a informação, não só para a coordenação estadual, como também aos municípios que devem fazer as notificações, então iniciou o desenvolvimento do sistema online, implementado neste ano (2019) com um projeto piloto”, explicou o coordenador do SisReação, Sebastião Sena.

O Sistema foi implantado apenas em Rondônia, com apoio da Diretoria Executiva de Tecnologia da Informação e Comunicação (Detic), e é utilizado pelos profissionais cadastrados, para proteção dos dados e informações dos pacientes. A informação online agiliza as medidas de ações da Agevisa, como o tratamento adequado e célere, para que o paciente não tenha o quadro agravado, com danos neurais. Bem como, a notificação e inclusão, quantitativo, boletim de acompanhamento, encerramento dos casos de episódios reacionais, como um banco de dados que permite o monitoramento dos estados reacionais.

Todos os dados do sistema antigo, 2,010 mil casos, serão migrados até 2020 para o novo sistema. Desse quantitativo, 540 são casos de pacientes com reações pós-alta, em tratamento. Esses números foram apresentados no Congresso em Filipinas, com as peculiaridades dos casos.

A hanseníase tem em sua maior complicação os episódios reacionais, que podem acontecer antes, durante e após o tratamento com a poliquimioterapia. Segundo a coordenadora de Hanseníase, Albanete Mendonça, a literatura afirma que 30% dos pacientes que iniciam tratamento já apresentam reações, ou adquirem durante o tratamento ou após. “O sistema de vigilância permite quantificar melhor esse potencial, com dados fidedignos e trabalhar o manejo da reação. Importante também para receber o medicamento do Ministério da Saúde, comprovando a necessidade”, diz.

O olhar do SisReação ao manejo clínico adequado dedica-se sobre o conhecimento dos tipos de reações, que podem ser classificadas em leve, moderada e grave.

Como há dificuldade no tratamento dos episódios reacionais, é necessário tratar o paciente não só com medicamentos, pois há alteração na autoestima, fragilidade emocional, então o sistema permite estudar os casos de forma específica, com ações alternativas desenvolvidas para o bem estar e qualidade de vida, mediante plano de cuidados e rede de atenção à pessoa acometida pela doença. Garantindo a sequência no monitoramento dos pacientes pós-alta, pois as reações podem acontecer até um ano depois do tratamento da doença.

HANSENÍASE 

A Hanseníase é uma doença dermato-neurológica, infecciosa, crônica, acometendo principalmente a pele e os nervos periféricos, podendo comprometer também os olhos, rins e outros órgãos, transmitida por vias aéreas, pela proximidade e convivência.

Rondônia é o terceiro estado da Região Norte em números de casos, sexto no Brasil. O país ocupa o segundo lugar em quadros de pacientes com a doença. Por ser uma doença estigmatizada, muitos sentem medo de se expor, mas essa realidade tem mudado em todo o mundo, a exemplo das ações sociais desenvolvidas em Rondônia, que foram destaques em uma palestra realizada pela FioCruz no mesmo Congresso.

A equipe da Agevisa, na ministração do coordenador do SisReação, Sebastião Sena, apresentou, de 10 a 13 de setembro, no Congresso Internacional da Lepra, os dados sobre a vigilância da reações, mostrando que o monitoramento auxilia com o suporte aos atendimentos. Para contemplação na participação do Congresso, a proposta de Rondônia submeteu dois arquivos no início deste ano, um sobre os resultados dos pacientes pós-alta e outro sobre a implementação do sistema.

Segundo Sebastião, a organização do Congresso reconheceu o olhar diferenciado de Rondônia, com o uso das tecnologias para atenção aos pacientes, que também torna os dados confiáveis para estudos. “Quem faz toda a nossa articulação é o Ministério da Saúde, e o Estado do Piauí está começando a implantar o SisReação, com projeto piloto em quatro municípios, a partir de 2020, com as oficinas da vigilância da reação. Estou envolvido no apoio logístico a eles e o Ministério está orientando com técnicos para mostrar como é o manejo clínico dos casos”, acrescentou.

Considerando a vigilância da Hanseníase como um todo, Rondônia tem um centro formador de cirurgias de reabilitação no Hospital Santa Marcelina e por meio da Policlínica Oswaldo Cruz, o serviço social que intermedia oportunidades de cursos e melhoria na renda familiar com a parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), para que pacientes do pós-alta participem ao receberem alta por cura. Outra inovação é a inserção de renda ao paciente, como a fabricação de biojóias e a parceria com a ONG NHR Brasil, que desde 1990 viabiliza recursos que permitem o desenvolvimento das ações com maior celeridade, voltadas ao tratamento da hanseníase.

Fonte: Governo do Estado de Rondônia

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais