Publicidade

Real Turismo

Sorgo forrageiro é solução para alimentação do rebanho em Novo Riachuelo

0
Real Turismo

Os produtores de carne e leite têm em comum a busca incessante da máxima eficiência na nutrição e alimentação do rebanho, para potencializar o ganho de peso e produção leiteira.

Encontrar,  no entanto, a planta forrageira ideal para as condições de solo e clima, é um desafio que inquieta produtores e profissionais da assistência técnica, mas em Novo Riachuelo, distrito de Presidente Médici, alguns produtores orientados pelos extensionistas da Emater-RO acreditam ter encontrado a solução para a produção do volumoso ideal para alimentação do gado.

“Alguns produtores já estão inclusive confinando animais e alimentando com silagem, ou forragem fresca, picada no cocho, com expressivos resultados na balança, e na produção leiteira”, diz o gerente local da Emater-Ro em Novo Riachuelo, Erick Paião.

Os bons resultados alcançados pelos produtores em Novo Riachuelo começaram com a introdução de forrageiras de corte como milho para silagem e sorgo, neste caso o sorgo gigante boliviano, espécie que alcança um volume de produção de massa, superior a 100 toneladas por hectare ano.

O produtor de proteína de origem animal tem pelo menos duas grandes razões pra procurar alternativas para alimentação dos rebanhos, uma delas, e talvez a mais importante, é a impossibilidade de ampliação das áreas de pastagem com avanço sobre a floresta. A outra é a redução no desempenho dos animais, tanto no ganho de peso quanto na produção leiteira, durante os meses em que se acentua o período seco.

Foi nessa linha da busca para melhorar a eficiência produtiva e manter a responsabilidade ambiental, que os produtores Alessandro Kaiser Moreno e Saulo Rodrigues da Silva procuraram a assistência técnica para orientar a produção de forrageiras desde o preparo do solo, escolha de cultivares, até o manejo das culturas forrageiras.

“Neste ano safra de 2019/2020 os produtores estão com uma área plantada de 30 hectares, que será destinada principalmente a silagem para suplementar a alimentação dos animais no período seco, eles ainda têm uma expectativa de de produção modesta, com uma estimativa de produtividade de 32 toneladas por hectare”, informa o extensionista, Lincon Fernandes da Costa, responsável pela assistência técnica a estes produtores.

Fonte: Governo de Rondônia

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais