Publicidade

Publicidade

Publicidade

Suspeito de intermediar crime para filho que mandou matar o pai se apresenta à polícia, em RO

Chewdon Jeovane Batista seguiu à Delegacia de Homicídios, em Porto Velho, com o advogado nesta quarta-feira (26) e está preso. Ele negou participação.

0
Real Turismo

O quinto suspeito pela morte do comerciante Juscelino Magalhães, então de 46 anos, se apresentou, junto ao advogado, na Delegacia de Homicídios de Porto Velho na manhã desta quarta-feira (26). Na delegacia, Chewdon Jeovane Batista, de 18 anos, foi apontado pelos outros quatro envolvidos no caso como o mentor intelectual. A Polícia Civil chegou a divulgar uma foto de Chewdon na semana passada para encontrá-lo.

Juscelino foi morto com um tiro na cabeça no dia 10 de maio deste ano dentro do estabelecimento que comandava, na Zona Leste da capital. O filho do comerciante, de 16 anos, foi o mandante do crime e riu durante sua apreensão.

Em depoimento à polícia, Chewdon e o advogado dele negaram que o suspeito teria participado do crime. Mesmo assim, ele foi detido, pois havia um mandado de prisão temporária contra ele.

A delegada à frente do caso, Leisaloma Carvalho Resem, declarou que há provas colhidas no inquérito que confirmam a participação de Chewdon como intermediador. Agora, o inquérito do caso deve ser concluído e encaminhado ao Ministério Público.

Atirador preso

O atirador, o pedreiro Adelson Góes dos Santos, de 44 anos, chegou escoltado por policiais na Delegacia de Homicídios da capital no dia 19 de junho. Conforme a Polícia Civil, Adelson estava escondido em Itapuã do Oeste. O homem é o quarto participante detido pela morte de Juscelino Magalhães.

Durante breve conversa com jornalistas assim que chegou na delegacia, o suspeito não negou o crime e repassou a versão dele dos fatos.

Adelson relatou que o filho da vítima prometeu que pagaria R$ 20 mil antes da execução do assassinato e que, desse valor, receberia R$ 10 mil. “Mas ele (adolescente) não pagou”, disse.

O suspeito contou também que todos os envolvidos no caso se reuniram pelo menos três vezes para combinar como e quando seria o assassinato. Informou ainda que não se apresentou à polícia antes porque “estava procurando um advogado”.

Veja resumo das prisões:

  • Segundo a polícia, há cinco envolvidos no caso;
  • O adolescente, filho da vítima e mandante do crime, está em uma unidade de internação desde o dia 29 de maio;
  • segundo envolvido no crime é um homem, de 27 anos, que conduzia a motocicleta usada para levar o atirador ao estabelecimento e matar Juscelino Magalhães. Ele foi preso no mesmo dia da internação do adolescente;
  • terceiro participante é um homem, de 24 anos, que fazia trabalho de motorista de aplicativo. Foi ele quem levou o intermediário e o atirador até as proximidades do comércio palco do crime. Ele também já está preso;
  • quarto integrante do grupo foi preso no dia 19 de junho. Ele foi quem executou o assassinato;
  • quinto e último envolvido é o intermediário. Segundo Leisaloma, seria ele quem contratou o atirador e o homem que conduziu a motocicleta. O suspeito se apresentou à polícia nesta quarta-feira e está preso.

Filho riu da morte do pai

O filho do empresário Juscelino Magalhães foi apreendido no dia 29 de maio. Em depoimento, na época, o adolescente de 16 anos riu do assassinato e pareceu não demonstrar arrependimento.

De acordo com a delegada Leisaloma Carvalho, as suspeitas sobre o adolescente ser o mandante do crime começaram quando ele demonstrou frieza no velório do pai e também no primeiro depoimento que prestou na polícia.

A análise das câmeras de segurança da rua do mercado constatou que o menor fez um sinal para os assassinos, que estavam na rua, saberem a hora de entrar no estabelecimento e executar o comerciante.

As investigações revelaram o contato do jovem com um intermediário que encontrou os dois executores. Eles chegaram de moto no dia do homicídio.

A delegada também destacou que a simulação de um latrocínio foi tramada pelo menor, mas não se sustentou porque o atirador perseguiu a vítima até conseguir atingi-lo com um tiro na cabeça.

Motivação

Em depoimento, o filho da vítima alegou que mandou matar o comerciante porque o pai havia descoberto os saques ilegais que ele fazia no caixa do comércio. Com isso, o pai adotou medidas para impedir que o menor continuasse com os desvios.

Outro fato que chamou atenção da polícia é que o menor pretendia pagar R$ 20 mil aos executores do pai, mas como não havia conseguido fazer o pagamento, estava em busca de outras pessoas para matar os assassinos do comerciante.

por G1/RO
da G1/RO

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais