Publicidade

Publicidade

Transporte escolar aquaviário entra em operação e permite alunos ribeirinhos sonhar com um futuro melhor

0
Real Turismo

Apaixonada por matemática, ciências e geografia, Raiane Braga Sodré, 18 anos, estudante do 8° ano do ensino fundamental da Escola Estadual General Osório, do distrito de Calama, diz estar feliz com o retorno do transporte aquaviário escolar na comunidade. Esse é o único meio para a jovem, que sonha em ser advogada, chegar à escola.

A estudante, moradora do distrito de Demarcação, levanta às 4h da manhã para começar a se arrumar, tomar o café reforçado e aguardar na beiro do rio o transporte fluvial, que chega por volta das 6h, para conduzir a estudante para a escola. Segundo Raiane, o percurso até a escola leva, em média, 45 minutos de barco. “É uma rotina difícil. Mas sei que esse sacrifício, acordar de madrugada, vale muito à pena. O estudo irá recompensar todo o esforço que faço para chegar à escola”, diz.

De acordo com Raiane, ela e os colegas de classe, que dependem do transporte aquaviário, ficaram há quase sete meses sem aula, mas quando o Governo de Rondônia assumiu a responsabilidade de disponibilizar o transporte aos alunos, e com a chegada de 16 embarcações para atender o transporte dos estudantes ribeirinhos, a jovem diz que ressuscitou o sonho de se tornar advogada e, futuramente, juíza. “Vejo o retorno das embarcações como uma grande conquista do governo para os estudantes que dependem do transporte aquaviário. Só tenho a agradecer ao governador por te se sensibilizado com a nossa situação, e conseguido enviar os barcos para nos trazer de volta à escola”.

Para Alisson Vieira Guimarães, 21 anos, que faz o 1° ano do ensino médio na Escola Estadual General Osório, no período da tarde, o retorno das embarcações significa a esperança de um futuro melhor. “Sem estudo a gente não chega a lugar nenhum”.

O estudante, morador do distrito de Demarcação, também leva 45 minutos para chegar à escola. Ele sonha em concluir o ensino médio para entrar na faculdade. “Estou muito feliz porque o governo conseguiu os barcos para nos trazer para estudar, pois lá em Demarcação não tem ensino médio e eu dependo dos barcos para vir para o distrito de Calama estudar e não ficar parado. Muito obrigado governador, continue empenhado a nos ajudar” disse Alisson Vieira.

José Neto Alves dos Santos, morador da localidade de Santa Izabel, disse que a falta dos barcos estava trazendo um desanimo desesperador, pois tem cinco filhos que estudam no distrito de Calama e dependem das embarcações para estudar. Ele e a esposa pensaram em deixar suas terras e migrar para Porto Velho para que os filhos não ficassem sem estudar, durante o período em que os barcos estavam paralisados. Mas, agora, que o governo assumiu o transporte aquaviário, não será mais necessário deixar a comunidade onde mora há anos.

“Esses barcos não podiam ter sido paralisados, pois prejudicou muito os estudos dos nossos filhos, mas o governo tomou a decisão certa, assumiu o transporte e conseguiu trazer os barcos. Isso nos deixa tranquilos, pois temos a certeza que nossos filhos estão estudando e terão um futuro melhor”, disse o pai de família.

Para a direção da Escola General Osório, o retorno das embarcações é a esperança para os pais dos alunos e alegria para o corpo docente da escola que estava sentindo a falta dos alunos, e sofrendo com o prejuízo que a paralisação dos barcos estava causando aos estudantes. “Agora tudo será diferente. Os barcos estão a todo o vapor e os estudantes empolgados. Nós estamos nos ajustando para que tudo se regularize e os estudantes não percam mais nada daqui pra frente” disse a diretora Jana Gusmão.

por Secom
da Secom

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais