Publicidade

Publicidade

Vereador de Vilhena solicita investigação da Polícia Federal, de Madeira doada pelo IBAMA em Espigão do Oeste

Segundo denúncia, o material teria sido desviado para outros fins, burlando o termo de doação.

0
Real Turismo

Há alguns dias circulam por redes sociais questionamentos acerca do destino dado a pouco mais de 280 m3 de madeira serrada apreendidas pelo IBAMA em Espigão do Oeste e doadas para a Secretaria Municipal de Educação (SEMED) de Vilhena.

De acordo com as denúncias, o material teria sido desviado para outros fins, burlando o que foi estabelecido no termo de doação.

Devido ao volume do produto doado e a quantidade de madeira localizada que está no pátio de uma escola municipal, o vereador Carlos Suchi (PODEMOS) comunicou na manhã da quarta-feira, 21, a situação na Delegacia de Polícia Federal da cidade para averiguações.

A reportagem do Extra de Rondônia esteve no IBAMA onde a informação concedida é que não há, por enquanto, evidências de irregularidades, mas é preciso aguardar a prestação de contas obrigatória cujo prazo pode estar vencido.

O termo de doação nº 569357 foi expedido em 26 de fevereiro deste ano, e discrimina onze tipos de madeira serrada que foram repassados à SEMED na ocasião, detalhando a metragem de cada uma das espécies.

O volume todo é considerável, chegando a 281,4 m3, quantidade suficiente para carregar cinco carretas do tipo bi-trem. Essa madeira deveria ser usada para serviços de reformas e obras exclusivas da secretaria, mas até agora ainda não foi explicado o que foi feito com o material, segundo a assessoria do vereador.

 

Suchi garante que não está acusando ninguém de nada, apenas querendo esclarecimento do fatos. Ele informou que o próximo passo é apresentar requerimento a fim de que a SEMED apresente as informações. “Faço isso porque me preocupei ao ver a pequena quantidade de madeira estocada no pátio da Escola Ângelo Mariano Donadon, muito inferior ao volume doado pelo IBAMA, e devido a grande repercussão que essa história está tendo nas redes sociais sem que a prefeitura se manifeste”, disse o vereador ao Extra de Rondônia.

Na sede local do IBAMA o site foi informado que existe a obrigatoriedade da prestação de contas acerca da doação, desde a retirada do material do local da apreensão, até o destino final do produto. Não é necessário fazer isso passo a passo, mas há um prazo estabelecido para que isso aconteça. E é justamente neste quesito que há uma dúvida: segundo servidor que falou com a reportagem o prazo é de 120 dias, e em seu ponto de vista não está vencido. Só que não, pois se a doação aconteceu em 26 de fevereiro, o relatório sobre a destinação do material teria que ser entregue, no máximo, até início de junho, se o prazo for mesmo de quatro meses, e já estamos chegando ao final de agosto.

O IBAMA informou também que em doações anteriores ao Município não foi constatada nenhuma anormalidade, por isso a prefeitura de Vilhena está apta a continuar recebendo material. Há, inclusive, um novo termo de doação sendo encaminhado, desta vez especificamente a Escola Municipal Castelo Branco, com mais 24 m3 de madeira serrada, que deve ser liberado nos próximos dias.

Parte de madeira estocada no pátio da Escola Ângelo Mariano Donadon / Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais