Publicidade

Real Turismo

Vizinhança segura: PM cria grupos no WhatsApp para aproximar vizinhos no combate à criminalidade em RO

PMs que integram os grupos recebem denúncias de movimentações suspeitas e orientam moradores com dicas de segurança em Porto Velho. Projeto começou em 2019 no bairro Igarapé.

0
Real Turismo

Com a popularização dos aplicativos de mensagem, grupos para todo tipo de situação surgiram nos celulares: família, igreja, faculdade, futebol, trabalho, dentre outros. Incentivados pela Polícia Militar (PM), moradores de alguns bairros de Porto Velho adotaram mais um grupo no WhatsApp: o da Vizinhança Segura. O objetivo é que os participantes dos grupos avisem a polícia sobre movimentações suspeitas ou crimes nas ruas onde moram.

A ideia de unir moradores e incentivar que eles vigiem casas vizinhas já era aplicada em outros estados, como Minas Gerais e Santa Catarina, mas foi adaptada à realidade de Porto Velho em meados de 2019.

Na capital, o projeto é desenvolvido pelo 5° Batalhão de Polícia Militar (5° BPM), responsável pela Zona Leste. As ruas Eurico Caruso e Henrique Soro, no bairro Igarapé, foram as primeiras beneficiadas com o projeto. Depois, o projeto foi ampliado e levado até algumas áreas rurais.

O comandante do 5º BPM, major Glauber Souto, explicou ao G1 os objetivos do projeto, dificuldades na implantação e resultados positivos.

Ele explica que o Vizinhança Segura faz parte do projeto Intervenção Integrada (I5), responsável por unir ações além do policiamento ostensivo a fim de reduzir a violência na Zona Leste de Porto Velho.

Entre as atividades estão a alfabetização para segurança, parceria com a Polícia Civil, e projetos sociais na Escola Estadual Ulisses Guimarães.

“Enquanto a gente achar que segurança é só PM, não vai resolver. Não podemos ver os problemas e não fazer nada”, afirma Glauber Souto.

Como os grupos surgem ?

O projeto para criar o grupo virtual sempre inicia no bairro com uma reunião de apresentação das atividades do batalhão.

Glauber acredita que a polícia, com a confiança da sociedade, pode dar impulso nessa união dos moradores. A reunião acontece na casa de um voluntário e anfitrião. “O projeto Vizinhança Segura coloca a comunidade como protagonista de um projeto de segurança”, diz.

Uma das dificuldades dos policiais no início do projeto virtual é conseguir o engajamento de todos os moradores, mas com o tempo isso melhora, segundo o major.

“Na primeira [reunião] normalmente vai pouca gente, mas a gente explica como é e eles mesmo fazem o trabalho de formiguinha e chamam os outros moradores e aos poucos os outros vão participando”, explica.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarVeja Mais